Parlamento italiano não consegue eleger presidente da República

quinta-feira, 18 de abril de 2013 20:19 BRT
 

Por Barry Moody e Steve Scherer

ROMA, 18 Abr (Reuters) - O Parlamento da Itália não conseguiu eleger um novo presidente da República nas duas primeiras votações nesta quinta-feira, uma vez que centro-esquerda promoveu uma rebelião contra o candidato proposto pelo líder Pier Luigi Bersani, prolongando o impasse na política italiana.

Até que o novo presidente seja eleito, a paralisia no Parlamento provocada pelas tentativas de formar um governo desde a eleição geral inconclusiva de fevereiro vai continuar, e um dia caótico de votação mostrou como o cenário político permanece fraturado.

A economia da Itália, a terceira maior da zona do euro, contraiu por seis trimestres consecutivos, e a desordem política agravou a incerteza em um país que chegou perto do colapso financeiro em 2011.

O candidato de Bersani, o ex-presidente do Senado Franco Marini, ficou muito aquém da maioria necessária de dois terços dos 1007 votos na primeira votação. Na segunda, ele não recebeu nenhum voto, com muitos membros de ambos os blocos de centro-esquerda e de centro-direita votando em branco.

Fontes políticas disseram que os votos em branco tiveram a intenção de proteger Marini de mais humilhação, depois que uma rebelião da centro-esquerda contra a sua candidatura tornou impossível conquistar a maioria de dois terços dos votos de ambas as casas do Parlamento, além de representantes regionais.

O fracasso de Marini, em uma votação necessária para preencher um vácuo no governo desde o impasse das eleições gerais de fevereiro, foi um tapa na cara de Bersani, que dividiu seu partido ao indicar Marini em um acordo com Silvio Berlusconi, chefe da centro-direita.

Bersani disse a jornalistas que irá se reunir com os parlamentares eleitores da centro-esquerda para decidir a estratégia da terceira votação, que ocorrerá na sexta-feira. Após essa votação, uma maioria simples é necessária para eleger um novo presidente.

Fontes parlamentares disseram à Reuters que o Partido Democrático (PD), de Bersani, pediu o adiamento da quarta rodada de votação possivelmente até sábado para dar-lhe mais tempo para considerar seus próximos passos.   Continuação...