Usiminas esboça reação, mas fecha trimestre com prejuízo

sexta-feira, 26 de abril de 2013 15:44 BRT
 

SÃO PAULO, 26 Abr (Reuters) - A Usiminas vê um cenário positivo para preços de aço no mercado brasileiro nos próximos trimestres, depois de ter anunciado dois reajustes para distribuidores no primeiro trimestre e ter iniciado negociações com a indústria que devem continuar até maio.

A companhia, que divulgou nesta sexta-feira o quinto prejuízo líquido trimestral consecutivo, afirmou ainda que espera elevar suas vendas a uma taxa acima de 5 por cento em 2013, numa velocidade acima dos 3 por cento de expansão do consumo aparente previsto pelo setor.

"Não estamos vendo riscos maiores sobre comportamento de preços para o Brasil. Para o segundo semestre estamos vislumbrando um viés de aumento de preços, dependendo do mercado", disse o diretor comercial da Usiminas, Sergio Leite em teleconferência com analistas.

Ele ressaltou que a empresa não está negociando preços com montadoras de veículos, responsáveis por grande parte das vendas da empresa, diante de contratos de longo prazo com as companhias.

Segundo ele, os aumentos de preços do primeiro trimestre na distribuição e as negociações de reajuste junto à indústria devem se refletir totalmente nos resultados da Usiminas a partir do segundo trimestre.

"A perspectiva para segundo trimestre é de impacto total dos aumentos nos resultados", disse Leite, após um primeiro trimestre em que o preço médio ficou praticamente em linha com os praticados no quarto trimestre de 2012. Segundo o executivo, a diferença de preços entre aço produzido no Brasil e material importado, conhecida como "prêmio" pelo setor, está entre 5 e 10 por cento.

AÇÕES RECUAM

Apesar do cenário otimista, após crescimento anual de 65 por cento no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) do primeiro trimestre, as ações da Usiminas exibiam queda de mais de 4 por cento no início da tarde.

"A empresa parece estar fazendo sua lição de casa e os resultados divulgados do primeiro trimestre já refletem isso. Mas, acreditamos que uma maior expansão de margens daqui para a frente será mais relacionada às condições de mercado que à redução de custos, embora a empresa afirme que irá continuar focando na eficiência e melhorias de rentabilidade", disseram analistas do Espirito Santo Investment Bank em relatório.   Continuação...