General dos EUA fala em "crise" por abusos sexuais em quartéis

quinta-feira, 16 de maio de 2013 20:12 BRT
 

Por Patricia Zengerle

WASHINGTON, 16 Mai (Reuters) - A Casa Branca e parlamentares dos Estados Unidos partiram na quinta-feira para a ofensiva contra os abusos sexuais nas Forças Armadas, após uma série de escândalos que levou o mais graduado general do país a alertar para uma crise nas suas fileiras.

"Estamos perdendo a confiança das mulheres militares em que eu possa resolver esse problema", disse o general Martin Dempsey, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, ao retornar de uma reunião da Otan em Bruxelas. "Isso é uma crise."

O presidente Barack Obama vai discutir a questão em reunião com o secretário de Defesa, Chuck Hagel, e com líderes militares.

Os escândalos vêm à tona num momento em que as Forças Armadas dos EUA cogitam integrar as mulheres a funções na frente de combate.

No âmbito parlamentar, republicanos e democratas anunciaram um projeto que reforma o sistema militar de justiça, de modo a que processos em caso de crimes, incluindo abusos sexuais, não seriam mais conduzidos dentro da cadeia de comando. Acredita-se que, dessa forma, as vítimas ficariam mais à vontade para procurar a Justiça.

"Essa epidemia de agressões sexuais não pode perdurar", disse a senadora republicana Susan Collins. Sua colega democrata Kirsten Gilllibrand disse que o objetivo é alterar a cultura militar.

O Pentágono está sob crescente pressão para coibir abusos sexuais. Um relatório anual sobre isso, divulgado na semana passada, mostrou que queixas de contatos sexuais indesejados envolvendo militares saltaram 37 por cento entre 2011 e 2012, chegando a 26 mil.

Mas apenas 3.374 vítimas denunciaram o crime em 2012, em grande parte devido a temores de retaliações e a uma cultura que, segundo ativistas, está mais preocupada em proteger os agressores do que as vítimas.   Continuação...