EUA acusam Hong Kong de usar pretexto para não prender Snowden

quarta-feira, 26 de junho de 2013 19:56 BRT
 

WASHINGTON, 26 Jun (Reuters) - Os Estados Unidos acusaram Hong Kong nesta quarta-feira de ter simulado uma confusão sobre o nome do meio de Edward Snowden para não deter o ex-funcionário de inteligência dos Estados Unidos antes de sua fuga para a Rússia.

Hong Kong respondeu à demanda norte-americana de prisão de Snowden, sob a acusação de espionagem, pedindo um esclarecimento sobre o nome do meio de Snowden, disse uma porta-voz do Departamento de Justiça norte-americano.

Falando sob condição de anonimato, a porta-voz afirmou que, devido à imagem de Snowden estar amplamente disponível nas agências de notícias, o pedido de Hong Kong para esclarecer tal informação não era genuína.

"Ao pedir mais informações sobre a sua identidade demonstra que Hong Kong estava simplesmente tentando criar um pretexto para não agir em relação ao pedido de prisão provisória", disse a porta-voz.

Ela não confirmou uma notícia veiculada pela agência Associated Press de que o governo dos Estados Unidos teria escrito errado o nome do meio de Snowden em documentos que apresentou a Hong Kong.

A imigração de Hong Kong registrou o nome do meio de Snowden como Joseph, enquanto o governo dos EUA usou o nome James em alguns documentos, afirmou a Associated Press.

Snowden, um ex-funcionário contratado pela Agência de Segurança Nacional, no Havaí, deixou Hong Kong no domingo e agora está na zona de trânsito de um aeroporto de Moscou.

Ele foi acusado nos EUA de espionagem e roubo depois de vazar detalhes sobre os programas de vigilância secretos norte-americanos para a mídia.

O Equador afirmou nesta quarta-feira em comunicado por meio de sua embaixada em Washington que estava analisando um pedido de asilo de Snowden e que os Estados Unidos deveriam apresentar suas objeções por escrito.

Os documentos enviados pelos Estados Unidos a Hong Kong também não incluíam o número do passaporte de Snowden, de acordo com a Associated Press. A porta-voz do Departamento de Justiça defendeu que o tratado de extradição dos EUA com Hong Kong não exige um número de passaporte para a prisão temporária.

(Reportagem de David Ingram)