Brasil não pode se deslumbrar porque meta é 2014, diz Marin

segunda-feira, 1 de julho de 2013 20:42 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 1 Jul (Reuters) - A conquista da Copa das Confederações na final contra a Espanha devolve a confiança à seleção brasileira, mas ao mesmo tempo aumentará a cobrança e a expectativa sobre o desempenho do time na Copa de 2014, disse o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin.

Para o dirigente, o tetracampeonato da Copa das Confederações diante da seleção campeã mundial e europeia foi um passo importante dado pelo Brasil rumo ao seu maior objetivo, que é a conquista do Mundial do ano que vem.

O presidente da CBF apelou para que o Brasil não se deslumbre com a vitória sobre o espanhóis por 3 x 0 e mantenha o foco no Mundial de 2014.

"Apesar da justa alegria, não estamos deslumbrados e sim conscientes das responsabilidades. Foi cumprida uma etapa da grande meta que é a Copa de 2014", disse Marin nesta segunda-feira.

O Brasil venceu a Copa da Confederações de forma invicta e superando seleções de tradição, como Uruguai, Itália e México, além da Espanha. Antes da Copa das Confederações, o desempenho do Brasil era cercado de dúvidas e sob o comando do novo treinador, Luiz Felipe Scolari, a seleção teve dificuldades para ganhar amistosos.

"Foi importante ganhar a Copa das Confederações, mas o olhar é para 2014. Temos que saber que a nossa responsabilidade aumentou muito mais", afirmou Marin à Reuters.

Mesmo com manifestações e protestos do lado de fora dos estádios da Copa das Confederações, Marin acredita que o apoio da torcida nos jogos do Brasil deu mais força 1a seleção brasileira. "A torcida foi extraordinária e fundamental", disse.

FUTEBOL E POLÍTICA

Alvo de protestos populares que aconteceram nas ruas durante a Copa das Confederações e, com um relacionamento distante da presidente Dilma Rousseff, Marin não esqueceu de falar de política em meio à conquista esportiva.   Continuação...

 
O presidente da CBF, José Maria Marin, concede entrevista no Rio de Janeiro nesta segunda-feira. REUTERS/Sergio Moraes