Repsol bate expectativas no 2o tri e aponta venda da Gas Natural

quinta-feira, 25 de julho de 2013 17:22 BRT
 

MADRI, 25 Jul (Reuters) - A petroleira espanhola Repsol teve um aumento de 5,8 por cento em seu lucro líquido do segundo trimestre, com um aumento da produção e do bom momento de seus ativos de gás natural (GNL), cuja venda para a Shell abre cada vez mais as portas para a venda de sua participação na Gas Natural.

A Repsol planeja concluir o desinvestimento de seu negócio de GNL até o final do ano, o que abriria caminho para a venda de seus 30 por cento de participação na Gas Natural.

"É muito cedo, nós temos que pensar nisso, mas diria que sim, que preferiria realizar qualquer acordo de venda de acordo com Caixa e Gas Natural", disse o diretor financeiro da petroleira, Miguel Martinez, depois de afirmar não tem pressa para fazer a desinvestimento, mas que não há mais lógica em manter o pacote de gás após o acordo com a Shell.

A Repsol vendeu ativos de GNL para Shell por 4,4 bilhões de euros além de dívidas, em um negócio que não incluiu os ativos do grupo no Canadá.

A Repsol, que elevou o seu lucro para 509 milhões de euros, reconheceu que manteve contatos com a Argentina sobre a expropriação da YPF, mas negou qualquer negociação aberta no momento.

A companhia procura uma compensação justa pela desapropriação da YPF, e para garantir seus interesses na região entrou com um ações judiciais para evitar o acordo entre YPF e Chevron para que esta invista 1,24 bilhões de dólares para desenvolver a área de Vaca Muerta, rica em óleo de xisto, na Argentina.

"Nós não somos contra qualquer desapropriação, é um direito que todos os governos têm, mas o que queremos é um retorno justo", disse o diretor.

Em termos operacionais, o resultado líquido de exploração subiu 4,6 por cento para 979 milhões de euros, acima dos 943,9 milhões de euros previstos por analistas, graças a um aumento da produção, que subiu 12 por cento para 359,7 mil barris de óleo equivalente por dia.

(Reportagem de Andres Gonzalez)