9 de Agosto de 2013 / às 15:09 / em 4 anos

Tyson suspende compra de boi alimentado com aditivo; preço deve subir

CHICAGO, 9 Ago (Reuters) - Quando a processadora de carnes norte-americana Tyson Foods anunciou que vai parar de comprar gado alimentado com uma substância promotora de crescimento amplamente utilizada, as implicações para o mercado ficaram muito claras: menos carne e preços mais altos.

A Tyson, que compra cerca de um em cada quatro bois abatidos nos EUA, informou que vai parar de comprar animais de rebanhos alimentados com o aditivo de crescimento Zilmax para proteger a saúde animal, num sinal do peso crescente dos defensores dos direitos dos animais. Aparentemente, alguns animais apresentam dificuldades para caminhar por conta do sobrepeso.

Embora a medida possa afetar as margens da Tyson ao limitar suas opções à compra de animais mais caros, alguns analistas veem um potencial benefício comercial nas exportações.

Grandes importadores como a Rússia e a China adotaram recentemente embargo à substância similar usada na alimentação suína, a ractopamina.

A Cargill , a terceira maior produtora de carnes do país, disse que não planeja alterar a forma atual de compra de gado. O porta-voz da National Beef, a quarta em carne bovina nos EUA, não comentou sobre o assunto. E a JBS USA não retornou e-mails e ligações para comentar o assunto.

“Se você tirar o Zilmax da equação combinado com o rebanho em seu menor nível em 61 anos devido à seca do ano passado, isso significaria menos carne bovina e preços mais altos para os consumidores”.

Zilmax, fabricado pela Merck & Co Inc, é o produto mais recente de uma linha popular de betagonistas, sendo usado para ajudar no ganho de peso e na qualidade da carne.

O aditivo, que é aprovado pelo órgão de segurança alimentar do país (FDA), é misturado à ração e dado aos animais na etapa final do confinamento (engorda de animais em sistema fechado).

Dennis Smith, um corretor da Archer Financial Services, em Chicago, considerou que a Tyson pode ter sido motivada por um mercado externo mais lucrativo.

“Não há coincidência de que isso veio justamente após o relatório de resultados deles com comunicados sobre abertura maior de comércio com a China. Isso é tudo relacionado com o mercado exportador.”

A China pode não embargar especificamente a carne produzida nos EUA com resíduos do Zilmax, mas não ter o aditivo na produção, tornaria mais fácil exportar a carne, disse Smith.

Reportagem de Theopolis Waters, reportagem adicional de Tom Polansek e Bob Burgdorfer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below