Partido de Marina Silva pedirá registro no TSE na próxima semana

sexta-feira, 16 de agosto de 2013 19:37 BRT
 

BRASÍLIA, 16 Ago (Reuters) - A Rede Sustentabilidade, partido que tem como principal fundadora a ex-senadora Marina Silva, deve entrar com pedido de registro na Justiça Eleitoral na próxima semana, mesmo sem ter conseguido validar o mínimo de assinaturas necessárias para a criação da nova legenda , afirmou o advogado do movimento nesta sexta-feira.

Segundo Marina, nome mais forte do partido em gestação para concorrer à Presidência em 2014, a Rede recolheu cerca de 850 mil assinaturas, das quais apenas 250 mil foram validadas. Pelas regras eleitorais, a Rede tem de recolher quase 500 mil assinaturas válidas.

"Estamos confiantes que o processo que fizemos tem toda a idoneidade e estamos muito confiantes na estrutura que criamos para coletar as assinaturas, a integridade dessas assinaturas e o processo que foi feito no Brasil inteiro", disse a ex-senadora, após reunião com a juíza corregedora do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz.

De acordo com André Lima, advogado da Rede, há um atraso no processo de validação da assinaturas nos cartórios, problema semelhante enfrentado e resolvido pelo PSD e outros partidos.

"Nós já temos o mínimo de assinaturas e de diretórios já em processo de certificação para nos dar condição de entrar no TSE. O problema é que com o atraso nos cartórios, nós não chegamos nas 491 mil (assinaturas) certificadas. Mas isso, o PSD e outros partidos conseguiram validar no TSE", explicou o advogado.

Marina concorreu à Presidência da República em 2010 pelo PV e teve quase 20 milhões de votos, votação considerada decisiva para forçar o segundo turno entre a presidente Dilma Rousseff e o tucano José Serra.

Na última pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada no último sábado, Marina aparece em segundo lugar, com 26 por cento das intenções de voto, logo atrás de Dilma, com 35 por cento, o que levaria a eleição para um segundo turno entre a atual presidente e a ex-senadora.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)