ANÁLISE-Em busca de visibilidade, Aécio enfrenta sombra de Serra e problemas do PSDB

quarta-feira, 21 de agosto de 2013 13:31 BRT
 

Por Eduardo Simões e Jeferson Ribeiro

SÃO PAULO/BRASÍLIA, 21 Ago (Reuters) - Três meses depois de assumir a presidência do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) ainda enfrenta o desafio de tornar-se nacionalmente conhecido para se cacifar como principal adversário da presidente Dilma Rousseff no ano que vem e pode ter pela frente uma disputa dentro do próprio partido.

No terreno tucano, o mineiro já disse que vê "com muita naturalidade" prévias, como sugerido pelo ex-governador José Serra, embora o tema não tenha sido "suscitado" internamente. Fora do seu reduto, a maior aposta para ganhar terreno recai sobre o programa nacional do partido no rádio e na TV em setembro.

Diante da movimentação de Serra, Aécio, que em 2009 defendeu uma prévia para a escolha do candidato do PSDB em 2010, disse publicamente que aceita a consulta interna, mas ressalvou que só poderia ser feita após o prazo final para se filiar a um partido para o pleito do ano que vem, que se encerra em outubro.

"Em 2009, propus ao partido as prévias, continuo achando que são um instrumento importante, basta que após o prazo de filiação, após outubro, haja no partido mais de um postulante e essa postulação seja submetida à Executiva do partido, como prevê o estatuto do partido", disse o senador a jornalistas.

"Esse não é um assunto que tem demandado discussões internas no partido. Tivemos uma grande reunião, esse assunto não foi suscitado, mas é legítimo que quem esteja no partido possa pleitear."

Aécio tem adotado, desde fevereiro, uma retórica de candidato a presidente, assumiu a postura de porta-voz dos tucanos fazendo críticas constantes ao governo e aumentou a frequência de suas aparições públicas, num processo que culminou com sua eleição para presidir o PSDB e seu protagonismo no programa de rádio e TV do partido, em maio.

No mês seguinte, o cenário político foi abalado pela onda de manifestações, que resultou em forte queda tanto na popularidade de Dilma quanto na sua intenção de voto para o ano que vem.

Aécio, entretanto, diminuiu o ritmo nesse período e não capitalizou sobre a queda da popularidade da presidente. De quebra, agora no momento em que Dilma começa a se recuperar, o tucano passa a conviver internamente novamente com a sombra de Serra.   Continuação...

 
Aécio Neves gesticula durante convenção do PSDB em Brasília. Três meses depois de assumir a presidência do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) ainda enfrenta o desafio de tornar-se nacionalmente conhecido para se cacifar como principal adversário da presidente Dilma Rousseff no ano que vem e pode ter pela frente uma disputa dentro do próprio partido. 18/05/2013. REUTERS/Ueslei Marcelino