Dilma adia visita de Estado aos EUA após denúncias de espionagem

terça-feira, 17 de setembro de 2013 18:17 BRT
 

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA, 17 Set (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff adiou nesta terça-feira a visita de Estado que faria a Washington em outubro, por considerar que ainda não foi alcançada uma "solução satisfatória" para as denúncias de que os Estados Unidos espionaram comunicações pessoais da presidente, de empresas e cidadãos brasileiros.

Dilma decidiu adiar a viagem em comum acordo com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apesar de ter mantido uma conversa de 20 minutos por telefone com ele na noite de segunda-feira numa última tentativa de salvar a viagem.

A decisão da presidente, anunciada em nota divulgada pelo Palácio do Planalto, é um duro golpe nas relações entre Brasil e Estados Unidos, que melhoraram sensivelmente desde a posse de Dilma em 2011, mas foram abaladas pelas denúncias de que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) espionou emails, mensagens de texto e telefonemas entre a presidente e assessores.

Tanto o governo brasileiro quanto o norte-americano afirmaram que a decisão de adiar a viagem foi tomada de comum acordo. Apesar do anúncio de adiamento dos dois governos, no entanto, duas fontes com conhecimento da decisão tomada por Dilma disseram que a viagem dificilmente acontecerá em breve.

"Tendo em conta a proximidade da programada visita de Estado a Washington --e na ausência de tempestiva apuração do ocorrido, com as correspondentes explicações e o compromisso de cessar as atividades de interceptação-- não estão dadas as condições para a realização da visita na data anteriormente acordada", disse a Presidência em nota.

"Dessa forma, os dois presidentes decidiram adiar a visita de Estado, pois os resultados desta visita não devem ficar condicionados a um tema cuja solução satisfatória para o Brasil ainda não foi alcançada."

A Casa Branca também anunciou que a visita fora adiada. Obama disse, segundo o porta-voz Jay Carney, que entende e lamenta as preocupações que supostas atividades de inteligência dos EUA geraram no Brasil e deixou claro que está empenhado em trabalhar em conjunto com Dilma e seu governo nos canais diplomáticos para superar a questão.

O porta-voz disse que os dois presidentes concordaram que as revelações de espionagem norte-americana no Brasil poderiam ofuscar o encontro e por isso resolveram adiá-lo. As medidas dos Estados Unidos para tratar das denúncias de espionagem, no entanto, podem demorar meses.   Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff é vista durante reunião plenária no Palácio do Planalto, em Brasília, em julho. Dilma adiou nesta terça-feira a visita de Estado que faria a Washington em outubro, por considerar que ainda não foi alcançada uma "solução satisfatória" para as denúncias de espionagem pelos Estados Unidos de comunicações pessoais da presidente, de empresas e cidadãos brasileiro. 17/07/2013 REUTERS/Ueslei Marcelino