Base naval de Washington reabre após três dias fechada por tiroteio

quinta-feira, 19 de setembro de 2013 16:07 BRT
 

WASHINGTON, 19 Set (Reuters) - Milhares de trabalhadores voltaram à base naval em Washington nesta quinta-feira, três dias após um ex-reservista, que trabalhava como empreiteiro no local, abrir fogo com uma espingarda em uma cafeteria cheia de funcionários, matando 12 pessoas.

O complexo, que abrange cerca de 16 blocos da capital norte-americana, havia sido fechado a todos, exceto para pessoas fundamentais e aqueles envolvidos na investigação sobre o motivo de Aaron Alexis, o atirador, morto no tiroteio travado com a polícia, ter realizado o massacre.

"Para sermos produtivos não podemos viver no passado", disse Justin Hoffman, da marinha civil que trabalha com TI, logo após sair da base e afirmou que a segurança estava reforçada, com mais guardas à vista.

O ataque foi o segundo tiroteio em massa em uma base militar dentro dos Estados Unidos em quatro anos. Em novembro de 2009, um homem matou 13 pessoas, e feriu outras 32, na base do Exército de Fort Hood, no Texas.

Os dois acontecimentos jogaram as condições de segurança de instalações militares nos holofotes. Funcionários militares, que não trabalham com segurança, são proibidos de portar armas de fogo nas bases.

Depois do ataque da última segunda-feira, o secretário de Defesa, Chuck Hagel, pediu uma reavaliação da segurança em bases norte-americanas no mundo inteiro.

(Reportagem por Ian Simpson)