6 de Outubro de 2013 / às 15:44 / 4 anos atrás

Estoque de veículos no Brasil atinge pico no ano em setembro

SÃO PAULO, 4 Out (Reuters) - O estoque de veículos novos no Brasil em setembro atingiu o maior nível do ano, após as vendas no mês terem ficado abaixo do esperado, diante do que o setor chamou de maior seletividade dos bancos na concessão de crédito.

Segundo da associação de montadoras, Anfavea, o estoque de veículos novos em fábricas e concessionárias terminou setembro em quase 421 mil unidades, no quarto mês consecutivo em que o volume à espera de comprador ficou acima de 400 mil unidades.

O estoque cresceu apoiado também no recorde de produção para setembro, 332 mil veículos, com o setor se preparando para uma aceleração das vendas no final do ano por crescimento de exportações e a expectativa de repetição do fenômeno de antecipação de compras.

A redução no desconto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) oficialmente vai até o fim de dezembro, mas analistas e observadores do setor apostam que o governo renovará o benefício pelo menos até o início do ano eleitoral de 2014.

Na véspera, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), importante incentivador das vendas de caminhões ao oferecer juros reduzidos, será estendido do final deste ano para o fim de 2014.

A Anfavea garante que não tem discutido a renovação do desconto do IPI com o governo e o presidente da entidade, Luiz Moan, afirmou nesta sexta-feira que “todas as sinalizações que o governo tem adotado apontam claramente restrições à política de desoneração. Não conto com a possibilidade de renovação”.

Segundo ele, as vendas de setembro não foram “tão positivas quanto esperávamos”. Os licenciamentos do mês passado somaram 309,9 mil unidades, alta de 7,6 por cento sobre o fraco setembro de 2012, mas queda de 6 por cento sobre agosto.

Ainda assim, a queda nas vendas no acumulado do ano foi reduzida de 1,2 para 0,3 por cento de agosto para setembro e a Anfavea manteve a previsão de crescimento dos licenciamentos de 1 a 2 por cento em 2013. A entidade começou o ano prevendo alta de 3,5 a 4,5 por cento, mas cortou a expectativa em agosto.

Moan afirmou que os bancos estão mais seletivos, mantendo, em vez de ampliar, o volume de crédito direto ao consumidor (CDC) oferecido na aquisição de veículos novos. “Eu preciso de CDC para crescer o volume”, afirmou.

RENASCIMENTO DO LEASING

Enquanto os bancos não se mostram mais confiantes no financiamento de veículos novos, a Anfavea espera chegar a um acerto com o governo até o final do mês que viabilize a retomada da modalidade de leasing.

Moan afirmou que o leasing financeiro chegou a ser responsável por 38 por cento das vendas de veículos em 2008, mas que hoje a participação foi reduzida para menos de 2 por cento. A queda ocorreu diante de incertezas jurídicas que fizeram Estados como São Paulo cobrar das instituições financeiras, e não dos motoristas, multas e pagamento de impostos atrasados.

“O que estamos buscando é que não haja essa transferência”, disse Moan, estimando que a retomada do leasing poderá gerar vendas incrementais para a indústria, principalmente entre pessoas jurídicas.

Se o instrumento se viabilizar, a expectativa é que os grandes bancos comerciais ampliem o crédito para veículos via leasing, reduzindo as linhas de CDC, que cobram juros mais elevados pelo risco maior. Esse espaço seria em parte assumido pelos bancos das próprias montadoras.

EXPORTAÇÕES

Em outra frente, voltada para atacar um aumento de produção acima da velocidade de vendas, a Anfavea segue estudando proposta de programa de estímulo às exportações de maneira que não envolva desonerações adicionais de tributos, antes de entregar ao governo o plano do chamado “Exportar-Auto”.

O nome do programa foi lançado no final de abril, quando Moan assumiu a atual gestão da Anfavea. Na época, ele afirmou que o objetivo é buscar exportações de 1 milhão de veículos por ano, número que a indústria se aproximou pela última vez em 2005, com vendas externas de 900 mil unidades.

Nos primeiros nove meses de 2013, o setor exportou 428 mil veículos. No ano passado, foram exportados 445 mil unidades.

A preocupação com a viabilização do aumento das exportações decorre dos anúncios de investimentos em capacidade produtiva no país, acelerados pelo regime automotivo Inovar-Auto, aprovado pelo governo no final do ano passado.

Os investimentos para 2013 a 2017 anunciados entre o final de abril e o início deste mês cresceram de 60 bilhões de reais para 74,1 bilhões, disse Moan.

Entre meados de setembro e esta semana houve três anúncios de cerca de 1,5 bilhão de reais: retomada da produção pela Audi no Paraná, fábrica de carros da Mercedes-Benz em São Paulo e ampliação de produção pela Volkswagen no Paraná. (Por Alberto Alerigi Jr., edição de Aluísio Alves)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below