Estoque de veículos no Brasil atinge pico no ano em setembro

segunda-feira, 7 de outubro de 2013 09:19 BRT
 

SÃO PAULO, 4 Out (Reuters) - O estoque de veículos novos no Brasil em setembro atingiu o maior nível do ano, após as vendas no mês terem ficado abaixo do esperado, diante do que o setor chamou de maior seletividade dos bancos na concessão de crédito.

Segundo da associação de montadoras, Anfavea, o estoque de veículos novos em fábricas e concessionárias terminou setembro em quase 421 mil unidades, no quarto mês consecutivo em que o volume à espera de comprador ficou acima de 400 mil unidades.

O estoque cresceu apoiado também no recorde de produção para setembro, 332 mil veículos, com o setor se preparando para uma aceleração das vendas no final do ano por crescimento de exportações e a expectativa de repetição do fenômeno de antecipação de compras.

A redução no desconto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) oficialmente vai até o fim de dezembro, mas analistas e observadores do setor apostam que o governo renovará o benefício pelo menos até o início do ano eleitoral de 2014.

Na véspera, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), importante incentivador das vendas de caminhões ao oferecer juros reduzidos, será estendido do final deste ano para o fim de 2014.

A Anfavea garante que não tem discutido a renovação do desconto do IPI com o governo e o presidente da entidade, Luiz Moan, afirmou nesta sexta-feira que "todas as sinalizações que o governo tem adotado apontam claramente restrições à política de desoneração. Não conto com a possibilidade de renovação".

Segundo ele, as vendas de setembro não foram "tão positivas quanto esperávamos". Os licenciamentos do mês passado somaram 309,9 mil unidades, alta de 7,6 por cento sobre o fraco setembro de 2012, mas queda de 6 por cento sobre agosto.

Ainda assim, a queda nas vendas no acumulado do ano foi reduzida de 1,2 para 0,3 por cento de agosto para setembro e a Anfavea manteve a previsão de crescimento dos licenciamentos de 1 a 2 por cento em 2013. A entidade começou o ano prevendo alta de 3,5 a 4,5 por cento, mas cortou a expectativa em agosto.

Moan afirmou que os bancos estão mais seletivos, mantendo, em vez de ampliar, o volume de crédito direto ao consumidor (CDC) oferecido na aquisição de veículos novos. "Eu preciso de CDC para crescer o volume", afirmou.   Continuação...