Após aliança com Marina, Campos diz na TV que caminho atual do país se esgotou

quinta-feira, 10 de outubro de 2013 20:42 BRT
 

SÃO PAULO, 10 Out (Reuters) - Em tom crítico ao governo atual, o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, disse no programa do partido em cadeia nacional de TV nesta quinta-feira que o caminho trilhado pelo país nos últimos anos "já deu o que tinha que dar".

No programa, que foi ao ar menos de uma semana depois de Campos selar uma aliança com a ex-senadora Marina Silva, o dirigente socialista defendeu uma nova maneira de fazer política que abra espaços para novas lideranças.

"Por tudo que a gente fez, e viu acontecer nesse país, tenho a certeza, e acho que você também tem, de que não trilhamos o caminho errado. Mas temos que admitir, que estamos em um caminho que já deu o que tinha que dar", disse Campos, apontado como provável candidato do PSB à Presidência em 2014.

"Chega de governar se contentando em dizer que no passado já foi pior. Essa conversa já não cabe. Para começar, precisamos abandonar as velhas práticas políticas. Nós temos que estimular, dar oportunidade, dar espaço para as novas lideranças."

O PSB, aliado histórico do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deixou o governo da presidente Dilma Rousseff e entregou os cargos que tinha na esfera federal. Além disso, a aliança entre Campos e Marina coloca lado a lado dois ex-ministros de Lula contra Dilma na eleição de 2014.

O programa dos socialistas de cerca de dez minutos dedicou os três minutos finais para falar da aliança entre PSB e a Rede Sustentabilidade, partido que Marina tentava criar para disputar a Presidência no ano que vem, mas que teve seu pedido de registro negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Foram mostradas declarações de Campos intercaladas com as de Marina durante a cerimônia que selou a aliança e na qual Marina e outros integrantes da Rede se filiaram ao PSB.

Marina ocupa a segunda colocação nas pesquisas de intenção de voto para a disputa presidencial do ano que vem, atrás de Dilma e à frente do presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG). Campos aparece na quarta posição.

Nesta quinta os dois aliados deram entrevista coletiva em São Paulo após reunião para começar a debater um documento que pretendem lançar como base para o futuro programa de governo do PSB.   Continuação...