17 de Outubro de 2013 / às 00:15 / 4 anos atrás

Diretor e sub da NSA devem deixar cargo em breve

Por Warren Strobel e Mark Hosenball

WASHINGTON, 16 Out (Reuters) - O diretor da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos e seu adjunto devem deixar seus cargos nos próximos meses, disseram autoridades norte-americanas nesta quarta-feira, o que pode representar para o presidente Barack Obama uma chance de reformular a agência de espionagem.

O general Keith Alexander, no cargo há oito anos, formalizou seus planos de sair até março ou abril, e seu adjunto civil, John Chris Inglis, deve se aposentar até o fim do ano, segundo fontes oficiais que pediram anonimato.

A NSA, sigla pela qual a agência é conhecida, esteve no centro das explosivas revelações sobre a vasta atividade de espionagem da comunicação privada de cidadãos nos EUA e no mundo contidas em documentos vazados à imprensa pelo ex-técnico de inteligência Edward Snowden.

A agência teria monitorado a comunicação da presidente Dilma Rousseff, de cidadãos e empresas brasileiras, como a Petrobras, segundo denúncias feitas pelo programa Fantástico, da TV Globo.

Um forte candidato a substituir Alexander é o vice-almirante Michael Rogers, atual comandante da 10ª Frota da Marinha e da Frota do Comando Cibernético, disseram as fontes à Reuters. Por coincidência, a sede desses dois comandos fica em Fort Meade, Maryland, onde também funciona a sede da NSA.

As fontes ressalvaram que o nome de Rogers ainda não está decidido e que outros candidatos podem ser considerados.

A porta-voz da NSA, Vanee Vines, disse que Alexander planejava deixar o cargo na primavera, depois de três extensões em seu mandato, e o processo para escolher seu sucessor ainda estava em andamento.

"Isso não tem nada a ver com o vazamento de mídia, a decisão sobre sua saída foi tomada antes", disse ela à Reuters em um e-mail.

Alexander dirige a NSA desde 2005, sendo o mais longevo chefe da agência desde sua criação. Ele também atua como comandante de uma unidade militar correlata, o Comando Cibernético dos EUA.

Desde as revelações feitas por Snowden, em junho, Alexander tem defendido as atividades da NSA, descrevendo-as como legais e necessárias para impedir ataques terroristas. Ele havia dito anteriormente que pretendia deixar o cargo na próxima primavera boreal.

Inglis, que começou sua carreira na NSA como cientista de segurança da informática, é o diretor-adjunto desde 2006.

Embora os dois estejam saindo voluntariamente, a dupla vacância permitirá a Obama instalar uma nova cúpula para fazer frente às revelações de Snowden e decidir se a NSA e o Comando Cibernético devem ter chefes distintos.

O Comando Cibernético, que cresceu significativamente nos últimos anos, tem a autoridade para realizar operações defensivas e ofensivas no ciberespaço. Muitos veteranos da NSA argumentam que ter a mesma pessoa à frente da agência de espionagem e do Comando Cibernético reduz a ênfase no trabalho da NSA e em suas capacidades únicas.

Reportagem adicional de Joseph Menn em San Francisco e Tabassum Zakaria, Andrea Shala-Esa e Deborah Charles em Washington

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below