Brasil cria laços com Rússia em defesa e deve adquirir bateria antiaérea

quarta-feira, 16 de outubro de 2013 20:58 BRT
 

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA, 16 Out (Reuters) - O Brasil deve adquirir baterias antiaéreas da Rússia por 1 bilhão de dólares como parte de um acordo de parceria estratégica na área de defesa entre os dois países integrantes dos Brics, informou o Ministério da Defesa nesta quarta-feira.

Autoridades do governo brasileiro disseram esperar assinar o contrato até meados de 2014 para a aquisição de mísseis terra-ar de pequeno e médio alcance Pantsir S1 e Igla-S.

Em dezembro, o país comprou 12 helicópteros de ataque Mi-35, conhecidos como "tanque aéreo", na primeira aquisição de equipamentos militares junto à Rússia. Tradicionalmente, o Brasil adquiria esses equipamentos dos Estados Unidos e de países da Europa.

O ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, está visitando o Brasil e o Peru para promover a venda de armamentos russos e também ofereceu às autoridades brasileiras o desenvolvimento conjunto de um caça de combate de quinta geração.

A Força Aérea Brasileira tenta há uma década comprar 36 caças de quarta geração para substituir sua obsoleta frota, mas o Sukhoi Su-35 não está atualmente disputando um contrato de mais de 4 bilhões de dólares.

O processo de seleção está em andamento e não será reaberto, disse o ministro da Defesa, Celso Amorim, após se reunir com seu colega russo. O ministro disse esperar que a presidente Dilma Rousseff decida "em breve" entre o F-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing; o Rafale, da francesa Dassault, e o Gripen NG, da sueca Saab.

Amorim disse a jornalistas que o Brasil está interessado em discutir o desenvolvimento de um caça com novos parceiros.

"É uma visita muita sustanciosa, porque nós discutimos muito em vários aspectos como concretizar a parceria estratégica acertada por nossos presidentes", disse o ministro.   Continuação...