Após prejuízo, Bunge pode vender de ativo de açúcar no Brasil

quinta-feira, 24 de outubro de 2013 18:33 BRST
 

Por Tom Polansek

CHICAGO, 24 Out (Reuters) - O novo presidente-executivo da gigante norte-americana do agronegócio Bunge sinalizou planos de deixar o seu deficitário negócio de açúcar no Brasil, fazendo da multinacional a primeira grande do agribusiness a avaliar a saída de um mercado que já foi aquecido, tendo atraído bilhões de dólares em investimentos.

A Bunge relatou nesta quinta-feira um prejuízo líquido de 137 milhões de dólares no terceiro trimestre, com sua unidade de açúcar corroendo ganhos.

"Tendo em conta os desafios enfrentados pela indústria brasileira, nós começamos um processo abrangente para explorar todas as alternativas para otimizar o valor deste negócio", disse o presidente-executivo da empresa, Soren Schroder, em comunicado.

Ele disse ainda que a companhia está fazendo "uma revisão abrangente" de suas operações de usinas de cana no Brasil, que sofreram com más condições climáticas e baixos preços globais de açúcar.

A companhia ainda não discutiu uma potencial venda da unidade de moagem com quaisquer pretendentes, disse Schroder mais tarde à Reuters em entrevista.

Schroder, que assumiu como CEO, disse que não tem prazo para esta revisão.

Já passaram seis anos desde que a Bunge e outras empresas incluindo outras grandes de petróleo como a BP PLC e a Olam, listada em Cingapura, correram para agarrar uma fatia nos negócios do adoçante no Brasil.

As companhias compraram usinas e propriedades na tentativa de integrar verticalmente suas operações em uma aposta que o aperto na oferta de açúcar e o crescente mercado de etanol impulsionariam os lucros.   Continuação...