Conselho da OSX aprova pedido de recuperação judicial e demite CEO

sábado, 9 de novembro de 2013 13:24 BRST
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO, 8 Nov (Reuters) - A OSX, empresa de construção naval do ex-bilionário Eike Batista, anunciou nesta sexta-feira que irá ajuizar pedido de recuperação judicial, tornando-se a segunda empresa do grupo EBX a ingressar com tal processo na Justiça.

O pedido, aprovado pelo Conselho de Administração em caráter de urgência e amplamente esperado, inclui a holding e as controladas OSX Construção Naval S.A. e OSX Serviços Operacionais Ltda., segundo fato relevante divulgado nesta sexta-feira.

O documento não menciona a unidade de leasing da OSX, indicando que ela ficará fora da recuperação judicial. Essa subsidiária encomenda a construção das plataformas de produção de petróleo e depois aluga as embarcações para clientes. Sem estar sob o crivo da Justiça, a unidade poderá vender as unidades que possui e levantar montante bilionário.

O Conselho da OSX também demitiu Marcelo Gomes do cargo de diretor-presidente e elegeu Ivo Dworschak Filho para a posição. Ele acumulará a nova atribuição com a de diretor de Construção Naval.

Uma assembleia extraordinária de acionistas foi convocada para o dia 28 para ratificar o pedido de recuperação judicial, além de destituir e eleger membros do Conselho e alterar o nome da companhia.

Também foi aprovada a contratação da consultoria Angra Partners para coordenar e assessorar a OSX no seu processo de reestruturação, em substituição à Alvarez & Marsal.

O fato relevante enviado pela OSX à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta sexta-feira não deixa claro se o pedido de recuperação já ocorreu ou se será feito nos próximos dias. A Reuters tentou sem sucesso entrar em contato com representantes da OSX.

NO RASTRO DA OGX   Continuação...

 
O ex-bilionário Eike Batista, durante conferência em abril deste ano, na Califórnia, EUA. A OSX, empresa de construção naval do empresário, teve o pedido de recuperação judicial aprovado pelo Conselho de Administração da empresa na última sexta-feira. 30/04/2013 REUTERS/Mario Anzuoni