No Twitter, Dilma diz que "não existe democracia sem partidos"

domingo, 10 de novembro de 2013 17:38 BRST
 

SÃO PAULO, 10 Nov (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff afirmou em mensagem no Twitter que participará da eleição interna do PT neste domingo e que "não existe democracia sem partidos".

O PT faz neste domingo o Processo de Eleições Diretas (PED) que elegerá o novo presidente do partido e renovará o comando em nível nacional, estadual e municipal. Seis candidatos disputam a presidência da legenda, e os dirigentes eleitos terão mandato de quatro anos.

"Voto hoje nas eleições internas do PT. Tenho orgulho do PT, um partido nascido das lutas dos trabalhadores e que governa olhando para os mais pobres, os mais fracos, os mais necessitados. Assim foi no governo do presidente Lula. Assim é no meu", disse a presidente.

Segundo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, as eleições representam a "força do PT", segundo nota do Instituto Lula neste domingo. Além disso, elas também garantem que "o PT tenha uma direção consolidada e comprometida com o governo Dilma", afirmou.

Lula votou na sede do partido em São Bernardo do Campo, acompanhado do ministro da saúde, Alexandre Padilha, do prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho e o candidato a presidente do PT de São Paulo, Emídio de Souza.

Ainda no Twitter, Dilma afirmou que a ideia de uma política sem partidos esteve sempre ligada à defesa de governos autoritários e elitistas e voltou a defender uma reforma política por consulta popular.

"A reforma política deve permitir à sociedade participar de forma efetiva dos destinos do país. Defendo uma reforma política decidida por consulta popular, ouvindo a população brasileira", disse a presidente no Twitter.

Depois das manifestações que levaram mais de um milhão de pessoas às ruas de várias cidades do país em junho, Dilma sugeriu pactos pela melhoria de serviços públicos, pela rigidez fiscal e por mudanças no sistema político.

A presidente chegou a enviar uma mensagem ao Congresso com uma sugestão de pontos que poderiam ser questionados em um plebiscito para a realização de uma reforma política, mas a proposta não vingou.

(Texto de Bruno Marfinati e de Juliana Schincariol, no Rio de Janeiro)

 
A presidente Dilma Rousseff durante cerimônia do Programa Mais Médicos no último mês, em Brasília. A presidente afirmou no Twitter que vai participar das eleições internas do PT neste domingo. 22/10/2013 REUTERS/Ueslei Marcelino