Companhias aéreas dos EUA notificam China sobre planos de voo para zona de defesa

domingo, 1 de dezembro de 2013 10:52 BRST
 

Por Marina Lopes e Antoni Slodkowski

NOVA YORK/TÓQUIO, 1 Dez (Reuters) - As companhias aéreas norte-americanas United , American e Delta notificaram autoridades chinesas sobre seus planos de voo sobre a região da zona de defesa que Pequim estabeleceu sobre o Mar do Leste da China, seguindo o conselho do governo dos EUA.

A zona gerou tensão, especialmente com o Japão e a Coreia do Sul, e deve dominar a agenda de uma visita à Ásia do vice-presidente norte-americano, Joe Biden, esta semana. Ele irá ao Japão, China e Coreia do Sul para tentar aliviar o clima tenso, disseram autoridades norte-americanas.

Entretanto, a declaração da zona de defesa por parte da China também representa um desafio histórico da potência mundial emergente para os EUA, que dominaram a região durante décadas.

A China publicou as coordenadas da zona no fim de semana passado. A área, com cerca de dois terços do tamanho do Reino Unido, cobre a maior parte do Mar do Leste da China e os céus sobre um grupo de ilhas desabitadas no centro de uma disputa territorial entre Pequim e Tóquio.

Pequim quer que todas as aeronaves estrangeiras que passarem pela zona, incluindo aviões de passageiros, identifiquem-se para as autoridades chinesas.

Na sexta-feira, os EUA aconselharam as empresas aéreas comerciais do país a notificarem as autoridades chinesas sobre seu planos de voo, embora uma autoridade da administração norte-americana tenha dito que isso não significa que Washington aceitou as novas regras chinesas.

Um porta-voz da Delta Airlines disse que há uma semana a empresas está cumprindo a exigência de entregar seus planos de voo. A American e a United disseram separadamente que estão cumprindo também, mas não detalharam há quanto tempo.

Autoridades da indústria aérea disseram que o governo dos EUA normalmente espera que companhias aéreas norte-americanas que operam internacionalmente obedeçam notificações emitidas por países estrangeiros.   Continuação...