ONU aprova ação militar francesa na República Centro-Africana após confrontos

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013 16:54 BRST
 

Por Emmanuel Braun e Paul-Marin Ngoupana

BANGUI, 5 Dez (Reuters) - Milícias rivais travaram combates intensos na capital da República Centro-Africana nesta quinta-feira, e a Organização das Nações Unidas (ONU) autorizou uma ação militar francesa para interromper a violência entre muçulmanos e cristãos e evitar um massacre de civis.

Testemunhas no local, entre elas uma da Reuters, disseram que pelo menos 105 pessoas morreram nos combates entre antigos rebeldes, que agora estão no comando do país, e um conjunto de milícias e rebeldes leais ao presidente derrubado François Bozizé. Muitos dos mortos eram civis.

Cientes do genocídio de Ruanda em 1994, quando centenas de milhares foram mortos enquanto o mundo assistia, os Estados Unidos e outras potências ocidentais pediram uma ação internacional para evitar que a anarquia na República Centro-Africana leve a atrocidades contra a população civil.

A maior parte dos combates em Bangui perdeu a intensidade até o meio-dia, mas as ruas permaneciam desertas e houve relatos de abusos durante os conflitos.

"Recebemos vários relatos de muitas fontes confiáveis dizendo que houve execuções", afirmou Joanne Mariner, especialista em crise da Anistia Internacional, em Bangui.

"Isso mostra a necessidade da chegada de tropas internacionais para dar segurança. A situação está rapidamente saindo do controle", acrescentou.

Ao todo, 53 corpos foram levados a uma mesquita de Bangui. Muitas vítimas pareciam ter sido golpeadas ou cortadas até a morte, disse uma testemunha da Reuters no local.

Samuel Hanryon, que trabalha para a organização Médicos Sem Fronteiras num hospital de Bangui, disse haver outros 52 corpos no necrotério do lugar.   Continuação...