ENFOQUE-Para Campos, botão da "confiança" é o 1º que precisa ser acionado em 2015

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013 14:13 BRST
 

Por Jeferson Ribeiro

RECIFE, 19 Dez (Reuters) - A mudança mais urgente a ser feita por quem assumir a Presidência em 2015 será retomar a confiança do mercado e do empresariado, o que não está mais nas mãos da presidente Dilma Rousseff, pois ela manteria o ambiente de desconfiança, avalia o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que tentará derrotar a petista nas eleições do ano que vem.

"A coisa mais importante que o próximo presidente precisa fazer é recuperar a confiança do mercado e dos empresários", disse Campos. "Esse é o primeiro botão a ser mexido."

O presidente nacional do PSB, terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto, repete incansavelmente que sua plataforma vai incorporar a iniciativa privada em todos as áreas onde for possível fazer parcerias. "Não tenho preconceito", diz, como se fosse um mantra, sem deixar de pontuar que seu pensamento é de "esquerda".

Aos 48 anos e no segundo mandato à frente do governo estadual, Campos destaca a necessidade de adotar um discurso claro, mostrando que os problemas estruturais como a educação e as obras de infraestrutura têm solução de médio e longo prazo, sem mágicas, sem preocupações eleitorais.

O governador não quis conceder uma entrevista nos moldes formais, preferiu uma conversa longe de gravadores, em que expôs ideias e fez duras críticas ao governo. Para ele, suas chances eleitorais aumentarão se a situação econômica ficar como está.

Se piorar, a ponto de a inflação sair do controle, o dólar subir demais e o desemprego aumentar, os tucanos podem ter mais chances junto ao eleitorado. O potencial candidato do PSDB e presidente da sigla, Aécio Neves, tem aparecido em segundo lugar nas pesquisas lideradas por Dilma.

Por outro lado, se o desemprego seguir em níveis historicamente baixos, os preços se mantiverem sob controle e a atividade econômica acelerar, Dilma pode caminhar para uma reeleição tranquila.

"Para nós, não precisa piorar o país para ganharmos a eleição", diz Campos, que aposta no anseio por mudanças no eleitorado. A última pesquisa Datafolha mostrou que 66 por cento gostariam de ver no próximo mandatário ações diferentes das tomadas por Dilma.   Continuação...

 
Governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), durante encontro no qual foi anunciada a aliança com a ex-senadora Marina Silva, que se filiou ao PSB, em Brasília. A mudança mais urgente a ser feita por quem assumir a Presidência em 2015 será retomar a confiança do mercado e do empresariado, o que não está mais nas mãos da presidente Dilma Rousseff, pois ela manteria o ambiente de desconfiança, avalia Campos, que tentará derrotar a petista nas eleições do ano que vem. 5/10/2013. REUTERS/Ueslei Marcelino