BHG quer fortalecer posição no RJ e vê maior benefício após Copa

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014 17:31 BRST
 

SÃO PAULO, 8 Jan (Reuters) - Após concluir a compra do hotel Marina Palace em área nobre do Rio de Janeiro, a rede hoteleira Brazil Hospitality Group (BHG) mantém o apetite por ativos cariocas e acredita que o maior benefício da Copa do Mundo virá depois do evento.

Em entrevista à Reuters, o presidente da companhia, Eduardo Bartolomeo, afirmou que o Marina Palace, na orla do Leblon, tem potencial para alcançar margem operacional em linha com a companhia depois de passar por um reposicionamento planejado.

Segundo o executivo, o hotel Regente, em Copacabana, possui margem superior à média da empresa, de 32 por cento, e é o mais rentável da BHG, que opera com exclusividade as marcas do Golden Tulip Hospitality Group no Brasil.

"Quero que o Marina entregue essas margens também, melhorando fortemente a receita dentro de uma proposta de criação de valor para o hóspede", disse, sem mencionar as margens atuais do hotel.

Terceira maior rede hoteleira do país, a BHG desembolsou 151 milhões de reais para comprar o empreendimento numa operação anunciada em outubro passado, e prevê gastar outros 15 milhões de reais para "rejuvenescê-lo" e melhorar sua infraestrutura até 2015.

Avaliando 2014 como o ano de retomada do crescimento, após a captação de 355,5 milhões de reais numa oferta subsequente de ações no ano passado, Bartolomeo afirmou que a companhia segue avaliando aquisições, incluindo no Rio de Janeiro e mais especificamente na Zona Sul e no Centro.

Com o Marina, a BHG passa a somar cinco hotéis na capital fluminense. A empresa espera adicionar o Sofitel Rio à essa base, ainda aguardando uma decisão do Superior Tribunal de Justiça a respeito da compra do hotel.

Em 2011, a empresa anunciou a compra do empreendimento por 184 milhões de reais da Veplan, em recuperação judicial. Pouco tempo depois de revelado o negócio, a francesa Accor fez um depósito de mesmo valor, defendendo direito de preferência por ser locatária do prédio desde 1996.

"É razoável esperar que a justiça delibere sobre isso (neste ano) ... A gente acredita que o STJ vai validar a decisão da justiça do Rio de Janeiro (a favor da BHG)", disse o executivo.   Continuação...