EUA começam a remover sanções contra Irã, mas veem dura negociação pela frente

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014 21:39 BRST
 

Por Jeff Mason e Steve Holland

WASHINGTON, 20 Jan (Reuters) - Os Estados Unidos cumpriram a promessa de aliviar as sanções impostas ao Irã no âmbito das exportações de petróleo, comércio de metais preciosos e serviços automotivos, como parte do acordo nuclear que começou a vigorar nesta segunda-feira, disseram autoridades norte-americanas.

Em troca das medidas que o governo iraniano adotou para suspender sua mais sensível atividade nuclear, a Casa Branca disse que os EUA, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Rússia, China e União Europeia "vão hoje cumprir seu compromisso de começar a prover um modesto alívio acertado com o Irã".

"Ao mesmo tempo, nós vamos prosseguir com nossa aplicação agressiva das sanções que continuarão em vigor nesse período de seis meses", disse a porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, em um comunicado.

A iniciativa é a controversa consequência da promessa feita pelo presidente dos EUA, Barack Obama, quando candidato presidencial, de buscar um compromisso com adversários do país, incluindo o Irã.

No entanto, o esforço testou as relações com Israel, aliado prioritário dos EUA, e levou congressistas democratas e da oposição republicana a se empenhar pela aprovação de uma legislação que force a imposição de sanções contra o Irã, inimigo dos EUA há décadas.

Obama prometeu vetar qualquer projeto desse tipo.

"Enquanto o impacto econômico positivo sobre o Irã vai além desse alívio, já que os investidores estrangeiros estão correndo para lá, nosso poder sobre o Irã encolhe", disse o deputado Ed Royce, o republicano que preside a Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

"Enquanto isso, o programa nuclear do Irã continua", disse ele.   Continuação...

 
Imagem da bandeira nacional do Irã durante orações do Dia de Jerusalém, uma demonstração anual em homenagem à causa palestina, em Teerã, no Irã, em agosto de 2011. 26/08/2011 REUTERS/Morteza Nikoubazl