PSB se diz animado com perspectiva eleitoral e sem pressa de lançar chapa

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014 19:30 BRST
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 22 Jan (Reuters) - Animado com o resultado de pesquisas e na expectativa do rescaldo da reforma ministerial da presidente Dilma Rousseff, o PSB não apressará o anúncio oficial da chapa para disputa presidencial, apesar de alguns membros da Executiva do partido defenderem que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e a ex-senadora Marina Silva oficializem a dobradinha em fevereiro.

A avaliação foi feita durante uma reunião da cúpula do partido na terça-feira, no Recife, levando em conta o resultado de uma pesquisa telefônica feita com 2 mil pessoas em São Paulo, segundo um socialista ouvido pela Reuters. Essa fonte do partido disse que o levantamento mostrou Dilma com 34 por cento das intenções de voto, Campos com 25 por cento e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) com 17 por cento.

A pesquisa eleitoral mais recente do instituto Datafolha mostrava uma vantagem maior para a petista e o tucano em segundo lugar. Em 30 de novembro, Dilma tinha 47 por cento, Aécio era citado por 19 por cento dos entrevistados e Campos estava em terceiro com 11 por cento.

"Essa pesquisa nos deu novo ânimo e consideramos que o quadro político-eleitoral tende a melhorar nos próximos 60 dias. Então, a avaliação é que o tempo pode jogar a nosso favor e não é uma necessidade lançar a chapa oficialmente agora", disse o socialista sob condição de anonimato.

Parte da cúpula, porém, ainda considera que o anúncio oficial da chapa em fevereiro pode contribuir para ter um fato político novo e, com isso, dar maior visibilidade a Campos, que também preside a legenda. O governador só deve deixar o cargo no dia 4 de abril.

"Nós gostaríamos que (a oficialização) fosse em fevereiro, mas não temos pressa", disse o líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (RS), que também esteve na reunião.

Uma nova rodada de pesquisas quantitativas e qualitativas será encomendada pelo partido nas próximas semanas para ter um cenário mais claro.

A fonte socialista contou que os governadores tucanos de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do Paraná, Beto Richa, já tinham relatado a Campos que tinham detectado elevações das intenções de voto no socialista em seus Estados.   Continuação...