Petrobras reduz investimentos a US$220,6 bi para 2014 a 2018

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014 23:12 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 25 Fev (Reuters) - A Petrobras enxugou em 6,8 por cento seu robusto plano de negócios para o período de cinco anos, com previsão de investimentos de 220,6 bilhões de dólares entre 2014 a 2018.

No plano, anunciado na noite de terça-feira, a estatal elevou o volume de recursos destinados à divisão de produção de petróleo, ao mesmo tempo em que reduziu fortemente o montante previsto para a área de abastecimento.

No plano anterior, de 2013 a 2017, a previsão de investimentos quinquenais era de 236,7 bilhões de dólares.

A companhia anunciou o novo valor de investimento de médio prazo juntamente com um plano estratégico de longo prazo, no qual busca alcançar uma produção média de petróleo de 4 milhões de barris diários entre 2020 e 2030 no Brasil e no exterior.

Para o ano de 2014, a meta de crescimento da produção de óleo e LGN (líquido de gás natural) no Brasil é de 7,5 por cento em relação a 2013, após dois anos de queda na extração de petróleo, que fechou o ano passado no país em 1,931 milhão de barris ao dia.

A Petrobras ainda manteve sua meta de produção de óleo e gás para 2020 em 5,2 milhões de barris ao dia, na comparação com o plano de médio prazo divulgado no ano passado.

Mas ressaltou que as metas atuais são bem diferentes das apresentadas em 2007, quando foi elaborado o último plano estratégico de longo prazo.

"O contexto do ambiente de negócios atual... difere daquele de 2007... com destaque para as repercussões da crise econômica mundial de 2008, o fenômeno do shale gas e tight oil nos Estados Unidos, que vem mudando a geopolítica da energia no mundo", disse a estatal, citando ainda as mudanças do marco regulatório brasileiro com a criação dos regimes de cessão onerosa e partilha.

As premissas básicas utilizadas pela estatal na elaboração do plano considera o preço por barril de petróleo tipo Brent de 105 dólares em 2014, diminuindo para 100 dólares até 2017 e para 95 dólares no longo prazo.   Continuação...