ENTREVISTA-AIG prevê crescer 40% no Brasil em 2014 e mira aquisições

terça-feira, 11 de março de 2014 14:19 BRT
 

Por Aluísio Alves e Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO, 11 Mar (Reuters) - Sedenta por um mercado para o qual prevê crescimento médio anual de dois dígitos por pelo menos mais uma década, o colosso norte-americano de seguros AIG está mergulhado em um plano ambicioso para o Brasil que inclui aquisições e passa por uma meta de crescimento de 40 por cento dos prêmios em 2014.

Para isso, a companhia trará ao país cerca de 120 milhões de dólares em patrimônio para lastrear o crescimento nas linhas de seguro massificado e de grandes riscos, disse à Reuters o principal executivo da companhia no Brasil, Jaime Calvo.

A iniciativa faz parte de um plano mais amplo, que visa tornar o país um dos cinco mercados mais importantes da AIG até 2017, quando espera quase dobrar sua equipe atual de cerca de 400 funcionários. Atualmente, o Brasil não está nem entre os 20 primeiros do grupo.

"Nosso plano é de crescimento acelerado; vai passar por crescimento orgânico, claro, mas deve também incluir fusões", disse o executivo mexicano em entrevista à Reuters.

Na esteira do colapso do Lehman Brothers que levou a empresa a ser socorrida pelo governo norte-americano em 2009, a AIG se viu forçada a esvaziar suas operações no país, desfazendo-se de uma parceria com o Unibanco e ficando com minúscula operação de 12 pessoas na época.

A aposta da companhia é que a tendência de crescimento da renda das famílias no país também aumentará naturalmente a procura por seguros, mesmo diante do prolongado ciclo de baixo crescimento econômico do país.

Mas apesar de enxergar uma miríade de oportunidades por aqui, a companhia vai se concentrar em segmentos que ofereçam rentabilidades atrativas, disse o executivo.

CARROS   Continuação...