Proporção de mulheres nos Parlamentos é recorde, diz estudo

terça-feira, 11 de março de 2014 21:57 BRT
 

NAÇÕES UNIDAS, 11 Mar (Reuters) - A proporção de assentos ocupados por mulheres nos Parlamentos em todo o mundo aumentou 1,5 ponto percentual no ano passado, alcançando o recorde de 21,8 por cento, quase o dobro desde 1995, segundo um estudo da União Inter-Parlamentar e da ONU Mulheres apresentado nesta terça-feira.

No entanto, o diretor-executivo adjunto da ONU Mulheres para a política e programa, John Hendra, alertou que "nesse ritmo, vai demorar décadas para se chegar à paridade de gênero nos Parlamentos".

Ele declarou que medidas especiais temporárias, como cotas, o apoio de partidos políticos e um movimento forte das mulheres foram fatores fundamentais para elevar o número de mulheres nos Parlamentos em todo o mundo.

"Alcançar a igualdade de gênero na participação política exige que se aborde toda a gama de barreiras que as mulheres enfrentam para disputar eleições", disse Hendra.

"Essas barreiras incluem o preconceito de gênero e a discriminação, atitudes culturais que levam as mulheres a serem vistas como menos capazes e dignas de liderar, o desafio de levantar fundos suficientes de campanha, o combate à corrupção e compra de votos e o apoio insuficiente de partidos políticos e meios de comunicação."

O estudo constatou que nos governos as mulheres detinham 17,1 por cento dos cargos ministeriais, enquanto em 2008 elas eram 16,1 por cento.

Cada país da África e das Américas tem pelo menos um ministro do sexo feminino, disse ele. Mas o Líbano, Arábia Saudita, Paquistão, Brunei, São Marino, Bósnia, Ilhas Salomão e Vanuatu não têm mulheres em cargos no governo.

As Américas tem o nível mais alto de mulheres no Parlamento, com 25,2 por cento, enquanto o mundo árabe apresentou o maior aumento da participação no último passado, de 13,2 para 16 por cento. Na África e Europa houve uma ligeira alta, para 22,5 por cento e 24,6 por cento, enquanto que a Ásia tem 18,4 por cento e o Pacífico, 16,2 por cento.

Ao todo, 18 mulheres são chefes de Estado - uma a menos do que no ano anterior.

(Reportagem de Michelle Nichols)