PSB eleva tom das críticas a Dilma na TV e tenta colar imagem de Marina a Campos

quinta-feira, 27 de março de 2014 07:28 BRT
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 26 Mar (Reuters) - O programa do PSB na TV, que vai ao ar na noite desta quinta-feira, eleva o tom das críticas a presidente Dilma Rousseff e, ao apresentar imagens apenas de um diálogo entre o governador de Pernambuco e provável candidato à Presidência, Eduardo Campos, e a ex-senadora Marina Silva, tenta colar a imagem dela a do socialista para que ele suba nas pesquisas.

Gravado antes da divulgação de novas informações sobre a aquisição da uma refinaria em Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobras, em 2006, o programa também critica Dilma pela perda de valor de mercado da estatal durante sua gestão.

"Eu que vi em 2010 a presidenta Dilma dizer que ia defender a Petrobras, que o adversário dela ia privatizar a Petrobras. Eu vi três anos depois a Petrobras valer metade do que valia. Ou seja, tem meia Petrobras. E dever quatro vezes mais do que devia", ataca Campos num trecho do vídeo, ao qual a Reuters teve acesso.

Numa tentativa clara de evitar um embate direto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Campos e Marina, que foram ministros durante a gestão do petista, centraram suas críticas à Dilma e asseguraram que vão garantir as conquistas dos últimos governos.

"É inegável que houve avanços (nos últimos anos) e o presidente Lula cuidou de preservar esses avanços", afirma Campos. "De 2011 para cá, todos nós sabemos que começamos a ver as coisas não darem certo como se imaginava que poderia dar", continua.

E Marina prossegue com a crítica. "A gente vinha numa trajetória de progresso econômico e social e até com alguns ganhos ambientais, e o que a gente percebe é que estamos numa trajetória de retrocessos", afirma.

Os dois criticam ainda a inflação elevada, o modelo energético, que foi elaborado por Dilma quando era ministra de Minas e Energia, e a falta de disposição da presidente para dialogar com a sociedade.

"Ela teve a oportunidade de chegar à Presidência da República, de receber um legado do presidente Lula, com quem nós trabalhamos. Ela poderia ter feito pelo Brasil aquilo que ela se comprometeu a fazer, que era seguir melhorando o Brasil. Não desmanchar o que estava feito e fazer o que restava fazer", ataca Campos.   Continuação...