Carlyle vê mercado propício a compras com petroleiras vendendo US$300 bi em ativos

quarta-feira, 2 de abril de 2014 15:35 BRT
 

LAUSANNE, 2 Abr (Reuters) - Grandes petroleiras colocaram à venda ativos somando mais de 300 bilhões de dólares e o movimento pode continuar à medida que acionistas fazem pressão por menos gastos e dividendos maiores, afirmou a Carlyle, uma grande empresa de private equity que investe em energia.

O diretor-gerente do fundo International Energy Partners da Carlyle, Marcel van Poecke, afirmou nunca ter visto em sua carreira um mercado maior para compradores, conforme gigantes do petróleo continuam a separar a produção da commodity do refino.

"Estou neste meio há 25, 30 anos. Nunca vi um mercado com tantos ativos bons à venda", disse ele no evento FT Commodities Summit.

Há alguns meses, a Carlyle fez uma investida supresa no combalido setor de refino europeu ao se juntar com a trading suíça Vitol para ser co-proprietária de ativos de refino, armazenagem e distribuição na Suíça e na Alemanha.

Van Poecke disse que vê outras empresas de private equity repetindo esses tipos de acordo ao redor do mundo, conforme mais gigantes do petróleo seguem os passos das companhias norte-americanas ConocoPhillips, Murphy Oil e Hess, que ou cindiram as operações de refino ou estão passando por processos de reestruturação.

Companhias como a BP e a Royal Dutch Shell embarcaram em uma "dieta" de capital após anos de investimentos recordes em enormes projetos offshore ou de xisto nos EUA.

Elas estão agora prometendo maiores retornos a acionistas por meio de dividendos e recompras de ações.

A BP está vendendo ativos que somam cerca de 40 bilhões de dólares e a Shell planeja vender cerca de 15 bilhões de dólares em ativos.

"É o mercado dos compradores", disse van Poecke.

(Por Dmitry Zhdannikov e Silvia Antonioli)