Novo sinal eletrônico leva confiança a buscas por avião da Malásia

quarta-feira, 9 de abril de 2014 15:35 BRT
 

Por Matt Siegel e Swati Pandey

SYDNEY/PERTH, Austrália, 9 Abr (Reuters) - Autoridade australianas disseram nesta quarta-feira que dois novos sinais eletrônicos foram detectados nas buscas pelo avião da Malaysia Airlines, reavivando as esperanças após mais de um mês de buscas infrutíferas.

Agora já são quatro sinais eletrônicos recebidos nos últimos dias por um equipamento norte-americano especializado nesse tipo de buscas. Possivelmente os sinais foram emitidos pelas caixas-pretas do Boeing 777 que fazia o voo MH370, de Kuala Lumpur a Pequim.

Angus Houston, diretor da agência australiana que coordena as buscas, adotou um tom otimista ao anunciar a informação, mas pediu cautela, já que a tarefa de procurar os destroços numa área gigantesca e remota do oceano Índico continua sendo muito desafiadora.

"Acredito que estejamos buscando na área correta, mas precisamos identificar visualmente os destroços da aeronave antes que possamos confirmar com certeza que este é o local de descanso final do MH370", afirmou ele na cidade de Perth, no oeste da Austrália, a base da operação.

"Estou agora otimista de que vamos encontrar a aeronave, ou o que resta da aeronave, em um futuro não tão distante."

Os investigadores não têm ideia dos motivos que levaram ao desaparecimento do avião. Em 8 de março, cerca de uma hora após a decolagem, os instrumentos de localização do Boeing foram desativados, e satélites mostram que o avião fez uma curva acentuada e começou a voar em outra direção.

As autoridades suspeitam que o avião foi deliberadamente desviado da sua rota por alguém que conhecia bem o aparelho, mas também não se descarta um problema mecânico.

As caixas-pretas, com gravações de voz da cabine e dados técnicos do voo, poderiam elucidar o mistério, mas seus sinais de localização são alimentados por uma bateria com vida útil esperada de 30 dias -- ou seja, um prazo que já se esgotou.   Continuação...

 
Angus Houston, diretor da agência australiana que coordena as buscas pelo avião desaparecido da Malaysia Airlines, durante coletiva nesta quarta-feira, em Perth. 09/04/2014 REUTERS/Richard Polden