Hollande perderia disputa eleitoral com Sarkozy e Le Pen na França

terça-feira, 15 de abril de 2014 16:53 BRT
 

PARIS, 15 Abr (Reuters) - O presidente da França, François Hollande, seria derrotado nas urnas tanto por seu antecessor de centro-direita Nicolas Sarkozy como por sua rival de extrema-direita Marine Le Pen se concorresse à reeleição esta semana, mostrou uma pesquisa de opinião nesta terça-feira.

A popularidade de Hollande despencou para níveis recordes desde que chegou ao poder há dois anos, com os eleitores cada vez mais frustrados com a sua incapacidade de estimular o crescimento econômico e reduzir uma taxa de desemprego travada acima dos 10 por cento.

A pesquisa realizada pelo instituto OpinionWay mostrou que Hollande, cujo mandato termina em 2017, seria eliminado no primeiro turno de uma eleição presidencial de dois turnos com 19 por cento dos votos, contra 29 por cento para Sarkozy e 25 por cento para Le Pen.

Se um suposto segundo turno fosse no próximo domingo, entre Sarkozy e a chefe do partido Frente Nacional, Le Pen, o ex-presidente venceria por 67 por cento, contra 33 por cento para Le Pen, mostrou a pesquisa.

No entanto, se Hollande, que teve um nível de aprovação de 17 por cento na pesquisa, chegasse ao segundo turno para enfrentar Le Pen, uma candidata anti-União Europeia e contrária à imigração, ele venceria com 54 por cento dos votos, contra os 46 por cento dela.

"É a primeira vez que um presidente aparece em uma pesquisa de meio de mandato em um cenário profundamente problemático e que a Frente Nacional está tão fortemente posicionada para um primeiro turno (da disputa presidencial)", disse o analista da OpinionWay Bruno Jeanbart.

O Partido Socialista, de Hollande, sofreu uma derrota nas eleições locais no mês passado, perdendo terreno tanto para o partido da oposição de centro-direita UMP como para a Frente Nacional, de Marine Le Pen, que deve conquistar um grande espaço nas próximas eleições europeias.

O fraco desempenho forçou Hollande a remodelar o seu gabinete e nomear Manuel Valls como seu novo primeiro-ministro.

(Reportagem de Nicholas Vinocur)