16 de Abril de 2014 / às 13:53 / em 3 anos

Busca submarina por avião da Malásia é novamente encurtada

Grafiti do avião desaparecido da Malaysia Airlines, em Kuala Lumpur. A busca por um avião da Malaysia Airlines no fundo do oceano índico foi novamente encurtada nesta quarta-feira, quando problemas técnicos obrigaram um submarino teleguiado dos EUA a voltar à superfície sem ter descoberto nada, segundo autoridades. 15/04/2014. REUTERS/Samsul Said

Por Byron Kaye

PERTH, Austrália, 16 Abr (Reuters) - A busca por um avião da Malaysia Airlines no fundo do oceano índico foi novamente encurtada nesta quarta-feira, quando problemas técnicos obrigaram um submarino teleguiado dos EUA a voltar à superfície sem ter descoberto nada, segundo autoridades.

Mais de cinco semanas depois do desaparecimento do voo MH370, na rota Kuala Lumpur-Pequim, não há mais esperanças de localizar o aparelho pelos sinais eletrônicos das caixas-pretas, e por isso as expectativas se voltam para o drone submarino Bluefin-21, que vasculha o leito marinho a cerca de 2.000 quilômetros da costa australiana.

As autoridades ainda não descartam uma falha mecânica, mas a hipótese mais provável até agora é que o avião tenha sido deliberadamente desviado da sua rota.

O Bluefin-21 começou a ser usado na segunda-feira, mas voltou à superfície sem nenhuma informação relevante, depois de atingir sua profundidade máxima, de 4.500 metros.

Na quarta-feira, um problema não especificado novamente obrigou o veículo a voltar antecipadamente à tona. Os dados trazidos por ele não revelaram nada de importante, segundo a agência australiana que comanda as buscas.

O aparelho foi posteriormente lançado novamente, para prosseguir as buscas.

Militares dos EUA estimam que o Bluefuin-21 levará até dois meses para vasculhar uma área de 600 quilômetros quadrados (equivalente a metade do município do Rio de Janeiro), onde acredita-se que o avião tenha caído.

Especialistas dizem que o aparelho poderá detectar com relativa facilidade a presença de um grande corpo metálico em meio ao lodo que cobre o leito marinho no chamado Platô Zenith, uma área que nunca foi mapeada em detalhe, por não estar na zona econômica de nenhum país.

As buscas áreas e marítimas por destroços flutuantes ainda continuam na quarta-feira, mas devem ser suspensas em breve, segundo Angus Houston, chefe da agência australiana responsável pelas buscas.

Reportagem adicional de Lincoln Feast, em Sydney

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below