Brasil e Argentina se comprometem a estudar aumento de exportações automotivas

terça-feira, 29 de abril de 2014 21:56 BRT
 

BRASÍLIA, 29 Abr (Reuters) - Os governos e representantes da indústria de Brasil e Argentina assumiram nesta terça-feira o compromisso de discutir maneiras de aumentar as exportações bilaterais do setor automotivo, de acordo com um comunicado do Ministério da Fazenda.

O comércio de veículos entre os dois países está travado por restrições impostas pelo governo argentino ao fluxo de moedas estrangeiras diante da crise cambial. Com isso, o Brasil tem tido dificuldade de exportar veículos para a Argentina, principal destino da produção nacional que caiu 8,4 por cento no primeiro trimestre.

O encontro nesta terça-feira, em Brasília, reuniu autoridades brasileiras, lideradas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, e argentinas, sob o comando do ministro da Economia, Axel Kicillof, além de representantes do setor privado. Novas discussões estão marcadas para a semana que vem.

Segundo o Ministério da Fazenda, os governos brasileiro e argentino também se comprometeram a garantir a fluidez das operações comerciais para aumentar as exportações de ambos os lados.

"Além disso, os governos estudam o uso de instrumentos financeiros para a garantia das operações comerciais", afirmou o ministério em comunicado.

Mais cedo, o presidente da Anfavea, Luiz Moan, associação brasileira de montadoras, disse que a reunião foi considerada positiva. Segundo Moan, os argentinos apresentaram como proposta alterar o tratado automotivo bilateral que expira neste ano, mas não deu mais detalhes.

"Houve consenso da necessidade de aprofundar a análise de aumento do fluxo de comércio e de pagamento", disse Moan ao sair da reunião.

A expectativa das montadoras é de que as exportações de grãos da Argentina devem ajudar no problema de baixo nível de divisas externas na Argentina e ajudar as exportações brasileiras a destravarem.

Também participaram da reunião nesta terça-feira em Brasília o ministro brasileiro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, e a ministra da Indústria da Argentina, Débora Giorgi.

(Reportagem de Alonso Soto)

 
O ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, participa de uma reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em Brasília, nesta terça-feira. 29/04/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino