Confiança do comércio cai 0,7% no tri até outubro ante 2011--FGV

segunda-feira, 5 de novembro de 2012 08:28 BRST
 

SÃO PAULO, 5 Nov (Reuters) - O Índice de Confiança do Comércio (Icom) caiu 0,7 por cento na média do trimestre concluído em outubro, frente ao mesmo período do ano passado, ao passar de 131,5 para 130,6 pontos, informou nesta segunda-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Ainda assim, o indicador mostrou melhora ante o resultado anterior, referente ao período de três meses findos em setembro em comparação com igual trimestre de 2011, o qual mostrou recuo de 3,1 por cento.

O setor de Varejo Restrito teve baixa de 1,1 por cento no trimestre concluído em outubro na comparação com o mesmo período do ano passado, ante queda de 2,3 por cento em setembro.

No Varejo Ampliado, setor que inclui veículos, motocicletas, partes e peças, a confiança recuou 1,2 por cento no indicador trimestral até outubro, após ter registrado queda de 3 por cento no período de três meses encerrado em setembro.

Já no Atacado, o índice de confiança subiu 0,9 por cento no trimestre até outubro, depois de perder 3,1 por cento no resultado de três meses anterior.

Enquanto isso, o indicador do estudo que mede a percepção do setor em relação à demanda no momento atual --o Índice de Situação Atual (ISA-COM) médio-- registrou 102,4 pontos, nível abaixo do obtido no mesmo período do ano anterior, de 103,2 pontos. Com isso, no período de três meses até outubro, houve queda de 0,8 por cento no quesito.

Entre as empresas consultadas, 20,9 por cento avaliaram o nível atual de demanda como forte e 18,5 por cento, como fraca. No mesmo período de 2011, estes percentuais haviam sido de 20,7 por cento e 17,5 por cento, respectivamente.

Completando a Sondagem do Comércio, o indicador trimestral do Índice de Expectativas (IE-COM) recuou 0,5 por cento em outubro na comparação com um ano antes. Em setembro, houve queda de 3,7 por cento no mesmo quesito.

Dentre as empresas consultadas, 59,6 por cento esperam melhora e 3,5 por cento, piora da situação dos negócios, contra 63,3 e 6,0 por cento, respectivamente, em outubro de 2011.   Continuação...