Dilma diz à jornal espanhol acatar sentenças do STF no mensalão

segunda-feira, 19 de novembro de 2012 08:36 BRST
 

19 Nov (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff disse que acata as sentenças do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do chamado mensalão, que condenou à prisão a cúpula petista à época do escândalo, mas que "nada neste mundo de Deus está acima dos erros e das paixões humanas", segundo entrevista publicada no domingo pelo jornal espanhol El País.

O STF condenou à prisão o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, apontado como mentor e chefe do esquema de desvio de recursos públicos e compra de apoio parlamentar durante o início do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, revelado em 2005. O ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro do partido, Delúbio Soares, também foram condenados à prisão.

"Sou radicalmente a favor de combater a corrupção, não só por uma questão ética, senão por um critério político... Há diversos procedimentos jurídicos neste terreno e, como presidente da República, não posso manifestar-me sobre as decisões do Supremo Tribunal Federal. Acato suas sentenças, não as discuto. O que não significa que nada neste mundo de Deus está acima dos erros e das paixões humanas", disse Dilma na entrevista, nas primeiras declarações sobre o julgamento desde a condenações dos petistas.

A entrevista foi realizada em Brasília no dia 12 de novembro, dia em que Dirceu, Genoino e Delúbio tiveram suas penas analisadas pelo Supremo. Dirceu, condenado a 10 anos e 10 meses de prisão, e Delúbio, com sentença de 8 anos e 11 meses, deverão cumprir parte das penas em regime fechado. Genoino deverá ser submetido ao regime semiaberto, já que sua pena somou 6 anos e 11 meses.

Dilma citou ações do governo do ex-presidente Lula no controle de gastos e transparência, como a Lei de Acesso à Informação e o Portal da Transparência.

"Poucos governos fizeram tanto pelo controle do gasto público como o do presidente Lula... Um governo é 10.000 vezes mais eficiente quanto mais controla, mais fiscaliza e mais impede", disse ela.

A presidente está na Espanha, onde participou da XXII Cúpula Ibero-Americana no fim de semana, quando voltou a criticar o excesso de austeridade como receita para os países em dificuldades financeiras se recuperarem. Ela reúne-se nesta segunda-feira com o presidente espanhol, Mariano Rajoy, e o rei Juan Carlos, em Madri, e embarca de volta ao Brasil no fim da tarde.

(Por Hugo Bachega, em Brasília)