29 de Novembro de 2012 / às 19:58 / em 5 anos

Petrobras quer vender todos os ativos de refino no exterior-fonte

Por Leila Coimbra

RIO DE JANEIRO, 29 Nov (Reuters) - A Petrobras planeja vender todas as suas refinarias no exterior, incluindo uma unidade inteira e a participação em outra na Argentina, disse nesta quinta-feira uma fonte da companhia.

A venda faz parte do plano de desinvestimento da Petrobras, num momento em que a empresa avalia que já não é tão lucrativo ter ativos de refino onde não conta com produção de petróleo e distribuição relevantes.

A estatal detém 100 por cento de uma refinaria em Pasadena, nos EUA, e a totalidade de uma outra unidade no Japão (Nansei Sekiyu), que já estavam à venda.

E agora quer vender também os ativos de refino, de menor porte, na Argentina.

“O objetivo é concentrar o refino próximo ao centro consumidor, que é no Brasil. E (ter) unidades de refino sem o restante da cadeia (produção de petróleo e postos de revenda) não é tão lucrativo”, disse a fonte, que pediu para não ser identificada.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto.

A empresa prevê desinvestimentos totais, dentro do Plano de Negócios e Gestão 2012-2016, de 14,8 bilhões de dólares.

Na Argentina, a estatal brasileira possui 100 por cento da refinaria Ricardo Eliçabe, em Bahia Blanca, e também participação de 28,5 por cento na refinaria do Norte (Refinor), na Província de Salta.

Os sócios da Petrobras na Refinor são Pluspetrol, com 21,5 por cento, e YPF, com 50 por cento.

As duas unidades têm capacidade de refino de 30 mil barris de petróleo por dia, cada uma.

MUDANÇA DE ESTRATÉGIA

A opção de investir em refino apenas no Brasil representa uma reviravolta na estratégia anterior da companhia, segundo o especialista em energia e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie), Adriano Pires.

“Há alguns anos o que o governo (controlador da empresa) queria era transformar a Petrobras em um grande player global, e por isso ativos no exterior foram comprados. A empresa comprou não só plantas de refino, mas blocos de petróleo nos Estados Unidos, o maior consumidor mundial de petróleo e derivados”, disse ele.

A venda de blocos nos EUA integra o plano de desinvestimento da estatal.

A propósito, a presidente da empresa, Maria das Graças Foster, disse nesta quinta-feira que não tem prazo para fechar a venda da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, que possui capacidade de refino de 100 mil barris diários.

Já a refinaria de Nansei Sekiyu, também com capacidade de 100 mil barris diários, foi comprada pela Petrobras em 2008 por 71 milhões de dólares. O interesse da estatal era criar um polo exportador de petróleo e derivados para a Ásia.

As operações de refino no exterior não saíram como o esperado porque as margens de lucro na área estão em queda no mundo e há sobra de capacidade.

A venda de ativos no exterior ocorre num momento em que a Petrobras tem redução em seus lucros.

A divisão de Abastecimento no Brasil é deficitária, sendo obrigada a importar gasolina e diesel para abastecer o mercado interno a preços mais altos do que os valores de venda no mercado interno.

As compras externas de gasolina estão entre 80 mil e 90 mil barris diários, segundo a presidente da estatal, e a tendência é de aumento nos dois próximos meses.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below