Operação "Purificação" prende policiais acusados de corrupção no RJ

terça-feira, 4 de dezembro de 2012 17:15 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 4 Dez (Reuters) - Cinquenta e nove policiais foram presos nesta terça-feira em uma operação da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, com apoio da Polícia Federal e do Ministério Público estadual, contra um grupo de policiais acusados de receber propina do tráfico de drogas para não coibir atividades criminosas em favelas de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

A operação, denominada "Purificação", foi desencadeada após um ano de investigação para cumprir 83 mandados de prisão, sendo 65 policiais militares e 18 supostos integrantes da principal facção do tráfico de drogas do Estado, de acordo com a Secretaria de Segurança. Onze supostos traficantes foram presos.

Entre os acusados estão policiais militares de nove batalhões que à época do início das investigações estavam todos no batalhão de Duque de Caxias, informou a secretaria.

"Não podemos aceitar policiais corruptos dentro da corporação. Temos que bani-los", disse o secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame, a jornalistas.

"É importante cortar na própria carne, para a instituição buscar legimitimidade junto à sociedade. A PM pode cortar na própria carne e não precisa ficar esperando alguém fazer. Não é um luta da instituição A ou B. É a luta do bem contra o mal."

"Trabalhos dessa natureza vão continuar acontecendo dentro da polícia do Rio de Janeiro", completou o secretário.

De acordo com as investigações, os policiais cometiam vários tipos de crimes no exercício da profissão. Além da cobrança de propina dos traficantes para permitir a livre ação do tráfico, eles são acusados de sequestrar parentes de traficantes e os próprios traficantes para cobrança de resgate.

As investigações revelaram ainda que os policiais presos faziam apreensões de armas, drogas, munições e carregamentos e exigiam dos traficantes compensações financeiras em troca das cargas.

"O PM tem que ter a certeza que acabou a corrupção. Nós não vamos mais aceitar sermos humilhados por desvio de conduta praticados por alguns policiais", disse o comandante da Polícia Militar do Rio, Erir Ribeiro, acrescentando que a intenção é "limpar a instituição dos maus policiais".   Continuação...