Cardozo diz que não havia motivo para grampear telefone de Rosemary

terça-feira, 4 de dezembro de 2012 22:03 BRST
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 4 Dez (Reuters) - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta terça-feira em depoimento na Câmara dos Deputados que não havia motivos para a quebra do sigilo telefônico da ex-chefe de gabinete do escritório da Presidência da República em São Paulo, envolvida na operação Porto Seguro da Polícia Federal.

Cardozo argumentou que Rosemary Noronha não teve o seu telefone grampeado porque não estaria cometendo ato ilícito que somente poderia ser comprovado por meio de conversa telefônica, ao contrário do que aconteceu com outros investigados pela PF na mesma operação.

"Não houve a quebra (do sigilo telefônico) de todos os investigados, houve quebra daqueles que as atividades estavam em curso", disse o ministro na Comissão de Segurança Pública da Câmara.

A correspondência eletrônica da ex-assessora, porém, foi alvo da investigação policial.

As afirmações do ministro da Justiça, no entanto, não convenceram os parlamentares da oposição, nem mesmo depois de apoiadas por membros da PF presentes à audiência pública.

"Por que a senhora que ocupava esse cargo na Presidência da República não teve sua comunicação telefônica interceptada? Porque não havia justa causa. Porque não havia motivação possível para que a autoridade policial o apresentasse", disse o superintendente da Polícia Federal em São Paulo, Roberto Troncon, convidado por Cardozo para participar da audiência.

Mas os parlamentares da oposição não ficaram satisfeitos com as explicações oficiais e disseram achar estranho que a ex-assessora da Presidência da República, exonerada no dia 24 após a deflagração da operação da PF, não tenha sido alvo de grampos da PF, considerando que ela foi indiciada por tráfico de influência, corrupção ativa e falsidade ideológica.

"Quando chega perto da Presidência da República há uma operação abafa imediata", disse o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) durante a audiência.   Continuação...