Embarque de carne suína do Brasil crescerá pouco em 2013

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012 17:23 BRST
 

SÃO PAULO, 6 Dez (Reuters) - As exportações de carne suína do Brasil terão pequeno crescimento em volume em 2013, mas a receita deverá aumentar mais, com vendas para mercados que pagam melhores preços, afirmou a associação do setor nesta quinta-feira.

"A tonelagem (de carne suína exportada) aumenta pouco. A receita deve crescer mais pela melhora dos mercados", disse Pedro de Camargo Neto, presidente da Associação da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), em entrevista a jornalistas nesta quinta-feira.

O executivo apontou pequena queda na receita com exportação neste ano, fruto do recuo de mais de 12 por cento no preço médio da tonelada embarcada, para 2.039 dólares até novembro.

Segundo ele, a expectativa é que ocorra uma transferência do volume exportado para o Japão e a Rússia, que pagam mais, ante a Ucrânia e Hong Kong.

A abertura mercado japonês é uma expectativa para o ano que vem, uma vez que o país está em processo de aprovar o recebimento de carne suína de Santa Catarina. Em meados do ano passado, o Japão aprovou a análise de risco sobre saúde animal.

"Ainda faltam a aprovação do modelo de certificado sanitário internacional e a lista de estabelecimentos (habilitados)... mas esperamos concluir em breve", disse Camargo Neto.

Quanto ao mercado russo, a expectativa é de retomada dos embarques ao longo de 2013, mas o presidente da Abipecs pondera que até o momento o embargo parcial não foi encerrado de fato, uma vez que a Rússia ainda requer mais documentos.

"A Rússia ainda não levantou o embargo, não é correto dizer que isso aconteceu... Ela poderá levantar completamente caso o Brasil entregue mais documentos. É isso que está lá no site deles", acrescentou Camargo Neto, referindo-se às informações disponíveis na página da autoridade sanitária russa na internet.

O embargo parcial russo --que suspendeu os embarques de carnes de Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul-- teve início em junho do ano passado. Na semana passada, o governo brasileiro anunciou que ele havia sido suspenso, mas a retomada dos embarques ainda depende da emissão de alguns documentos.   Continuação...