PSDB rebate PT sobre conta de luz e diz temer que Dilma siga exemplo de Chávez

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012 20:41 BRST
 

SÃO PAULO, 7 Dez (Reuters) - O PSDB afirmou nesta sexta-feira temer que a presidente Dilma Rousseff esteja seguindo "as ações populistas e intervencionistas" de seu colega venezuelano, Hugo Chávez, e disse que o PT quer criar uma cortina de fumaça para esconder escândalos ao criticar estatais elétricas de governos tucanos.

Em nota, assinada pelo presidente do partido, deputado federal Sérgio Guerra (PE), o PSDB rebateu um documento adotado nesta sexta-feira pelo Diretório Nacional do PT que critica os governos tucanos de São Paulo, Minas Gerais e Paraná pela decisão de não aceitar a renovação antecipada e condicionada das concessões proposta pelo governo federal com o objetivo de reduzir a tarifa de energia.

"Com a politização do debate sobre a redução da tarifa de energia, a presidente e seus companheiros de partido tentam criar uma cortina de fumaça para desviar a atenção dos brasileiros sobre as novas denúncias que pesam contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva", afirmou a nota.

O presidente tucano também se referiu à Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, que desmontou um esquema de venda de pareceres fraudulentos para empresas, que envolveu então diretores da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Na operação, também foi indiciada a ex-chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo Rosemary Noronha. Ligada a Lula e indicada pelo ex-presidente, ela foi mantida no cargo no governo Dilma a pedido do ex-presidente e exonerada após a operação da PF, que também investiga o segundo nome da Advocacia-Geral da União, José Weber Holanda.

"Para proteger Lula, Rosemary Noronha e sua rede de relacionamentos, o PT vem liderando uma ação no Congresso Nacional para impedir a convocação dos principais envolvidos neste novo escândalo de tráfico de influência e venda de pareceres", afirma a nota tucana.

Ao rebater as críticas dos petistas contra as estatais Cesp, Cemig e Copel, o PSDB afirmou que em São Paulo, Minas Gerais e Paraná os consumidores já pagam uma tarifa menor de energia graças à decisão dos governos tucanos de zerar a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para essa parcela da população.

"Se o governo (federal) abrisse mão de pelo menos parte dos 10 tributos e encargos federais que incidem atualmente sobre a conta de luz, a tarifa de energia de todos os brasileiros já poderia custar menos e há muito mais tempo", afirmou.

Os tucanos criticaram ainda o fato de o plano de reduzir as tarifas de energia elétrica em 20 por cento ter sido anunciado por Dilma em rede nacional em plena campanha para as eleições municipais e manifestou preocupação de que Dilma esteja seguindo os passos de Chávez.   Continuação...