Depois de receber empresários, Dilma reúne ministros

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013 18:32 BRST
 

Por Ana Flor

BRASÍLIA, 11 Jan (Reuters) - Após receber empresários na primeira semana de volta ao trabalho em 2013, a presidente Dilma Rousseff reúne-se com ministros na próxima semana para planejar novas ações do governo de estímulo à competitividade e ampliar o financiamento e investimentos em infraestrutura, informaram à Reuters duas fontes do governo.

Nesta quinta e sexta, a presidente ouviu as perspectivas dos empresários sobre o crescimento da economia brasileira para este ano, diante do desempenho ruim em 2012.

Ouviu deles, segundo uma das fontes, a garantia de que participarão em leilões em portos e aeroportos, vão estender investimentos em produção e, atendendo uma das maiores preocupações do governo, manter estáveis os índices de emprego --a marca próxima do pleno emprego tem sido um dos principais ingredientes da alta aprovação do governo Dilma.

"Nossa preocupação muito grande é a necessidade que se tem de ampliar investimentos. Esse país nunca teve o volume de obras que está tendo, nunca teve o volume de obras que está programado e é preciso que você amplie o financiamento do setor privado", disse a jornalistas Rodolpho Tourinho, presidente do Sindicato Nacional da Indústria Pesada (Sinicon).

A presidente havia afirmado, em conversa com jornalistas no final de dezembro, que era preciso que bancos privados participassem mais de financiamentos de longo prazo para complementar o que o Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES) já oferece ao setor produtivo.

Nesta sexta, o presidente do Bradesco, Luiz Trabuco, estava entre os que mantiveram reuniões com a presidente. Ela também se reuniu com o presidente do Grupo Lafarge, Bruno Lafont. Na quinta, recebeu os presidentes da Vale, Murilo Ferreira, da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e Rubens Ometto, presidente do Conselho de Administração da Cosan.

De uma forma geral, os empresários demonstraram acreditar em uma maior recuperação da economia neste ano. Para o governo, é essencial crescer já no primeiro trimestre do ano, sinalizando a perspectiva econômica mais positiva para este início da segunda metade do mandato de Dilma, que deve enfrentar uma campanha para reeleição no ano que vem.

"Muita coisa já está sendo feita. A gente precisa colocar agora em prática, acho, apontar o direcionamento", disse a jornalistas Odebrecht.   Continuação...