Scania corta produção na Europa; demanda na América Latina dobra

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013 10:52 BRST
 

ESTOCOLOMO, 30 Jan (Reuters) - A Scania está cortando produção e postos de trabalho na Europa após demanda fraca no maior mercado da fabricante ter levado a resultados trimestrais abaixo das estimativas apesar de grande alta nas encomendas no Brasil.

O grupo sueco, em que a Volkswagen tem participação majoritária, informou nesta quarta-feira que está reduzindo a produção na Europa em 15 por cento no primeiro trimestre, com corte de 700 postos de trabalho.

A decisão deve dar o tom para concorrentes no continente europeu, onde a demanda por veículos cedeu à prolongada crise econômica.

O lucro operacional da Scania caiu para 2,17 bilhões de coroas suecas (340 milhões de dólares) no quarto trimestre, ante 2,74 bilhões no mesmo período do ano anterior. Analistas previam 2,48 bilhões em pesquisa da Reuters.

"A grande frustração no trimestre foi a lucratividade, que na minha opinião tem a ver com descontos em caminhões que a Scania se viu obrigada a dar e à redução dos estoques", afirmou o analista Hampus Engellau, da Handelsbanken Capital Markets.

O grupo, que fez cerca de metade de suas entregas de caminhão para a Europa no ano passado, disse que as encomendas na região ficaram estáveis no quarto trimestre, embora a margem operacional tenha caído para o menor nível em três anos.

No outro lado do Atlântico, no entanto, a situação parece melhor para a companhia sueca, cujo sistema de produção flexível e foco em veículos mais caros fazem dela geralmente a mais rentável das grandes fabricantes de caminhões.

As encomendas na América Latina praticamente dobraram diante da grande demanda no Brasil. A Scania prevê que a capacidade de produção dela na região deve aumentar no começo deste ano.

No total, a demanda por caminhões e ônibus da Scania subiu 24 por cento no quarto trimestre, muito acima dos 9 por cento que analistas previram em pesquisa da Reuters.

(Por Niklas Pollard e Helena Soderpalm)