Decisão do STF sobre vetos foi "alerta ao Congresso", diz Barbosa

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013 14:21 BRT
 

Por Ana Flor

28 Fev (Reuters) - A votação do Supremo Tribunal Federal que derrubou a liminar que obrigava os parlamentares a apreciar vetos do Executivo em ordem cronológica foi um "alerta ao Congresso", que não poderá mais se furtar à obrigação de avaliar vetos, disse nesta quinta o presidente do STF, Joaquim Barbosa.

Segundo a Constituição, o veto presidencial que chega ao Congresso precisa ser votado em 30 dias, ou passa a trancar a pauta --regra que não é obedecida pelos parlamentares.

Apesar de na prática a derrubada da liminar dar liberdade para o parlamento continuar com o mesmo sistema de avaliar ou não os vetos que deseja, o Supremo indicou que deve analisar ainda neste semestre a obrigatoriedade da votação dos votos em 30 dias. Nos últimos 13 anos, o Congresso deixou de votar mais de 3 mil vetos.

"A liminar (foi derrubada porque) não era o instrumento adequado", disse Barbosa. "A decisão de ontem foi preliminar, foi de alerta ao Congresso", acrescentou o presidente do Supremo em entrevista a correspondentes internacionais em Brasília.

Na quarta-feira, o plenário do STF derrubou liminar do ministro Luiz Fux que obrigava o Congresso a analisar os vetos pendentes de forma cronológica. O Supremo, no entanto, não decidiu sobre como o Congresso fará para apreciar os 3 mil vetos pendentes.

Mesmo ministros que votaram pela derrubada da liminar de Fux ressaltaram que o procedimento do Congresso de não avaliar os vetos do Executivo é inconstitucional.

Para Barbosa, o Congresso precisa retomar essa obrigação constitucional.

"Num sistema presidencial de governo sob o qual vivemos, o instituto do veto é crucial. O presidente da República exerce direito de veto, veta legislação muitas vezes inconstitucional, que não é do interesse nacional, legislação maluca votada no Congresso", disse Barbosa.   Continuação...