Pornografia apimenta celulares dos EUA em 2008

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 20:07 BRST
 

Por Sinead Carew

NOVA YORK (Reuters) - Na pornografia, tamanho é documento, a não ser quando se trata das minúsculas telas dos celulares, a nova fronteira do mercado erótico.

Se depender do setor do "entretenimento adulto", os norte-americanos em breve poderão receber pornografia gratuitamente em seus celulares --ou pelo menos algumas fotos de garotas bonitas de biquíni.

Ao contrário do que aconteceu na Europa, a pornografia via celular ainda não decolou na América do Norte, onde as operadoras temem a rejeição de pais e de religiosos.

Mas isso pode mudar em 2008, quando as operadoras planejam atenuar o controle sobre suas redes para permitir uma maior variedade de aplicativos e serviços, ao mesmo tempo em que criam novas ferramentas para proteger os menores.

Além disso, telefones mais modernos, que têm browsers de Internet melhores, como o iPhone, da Apple, também permitem ver vídeos e fotos com mais qualidade.

"Será impossível conter a exploração do negócio adulto no entretenimento por celulares," disse o advogado Gregory Piccionelli, especialista em questões ligadas à pornografia, do escritório Piccionelli & Sarno.

Ele prevê que os usuários dos EUA em breve poderão receber pornografia gratuitamente nos celulares, junto com serviços pagos de vídeo e "encontros adultos" --um eufemismo para o sexo pré-combinado entre estranhos.

O Congresso sobre o Conteúdo Adulto para Celulares, realizado nesta semana em Miami, está discutindo as oportunidades de expansão do setor pornográfico na telefonia móvel. A atual explosão dos sites pornográficos gratuitos está reduzindo os lucros do setor, até agora oriundos principalmente das vendas de DVDs e fitas de vídeo, do "pay-per-view" e das assinaturas em sites.   Continuação...