Videogame oferece segunda chance a atores dos EUA

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008 12:13 BRST
 

Por Kemp Powers

LOS ANGELES (Reuters) - Você talvez conheça o ator Keith David como co-astro de "O Enigma de Outro Mundo", um filme de horror estrelado por Kurt Russell em 1982.

No entanto, os fãs de videogames provavelmente o reconhecerão por seu papel como "The Arbiter", o alienígena de voz gravíssima que "co-estrela" os jogos da série "Halo", produzidos pela Microsoft.

"Não sou um grande jogador de videogame", disse David. "Mas certa vez eu estava em um set de filmagem e um técnico de iluminação se aproximou e me pediu um autógrafo, dizendo que sabia que eu fazia a voz do The Arbiter."

Os videogames ajudaram a levantar as carreiras de muitos atores de cinema e televisão, cujas vozes muito características podem fazer deles astros no mundo dos videogames ainda que seu status em Hollywood não seja dos mais altos.

O aumento do número de videogames que utilizam talento cinematográfico pode até resultar em uma reformulação das tabelas de preços para os serviços de voz, já que os atores estão batalhando por uma fatia maior do movimento de 18 bilhões de dólares anuais do mercado norte-americano de videogames.

Muitos atores que tiveram grande popularidade nas telas no passado criaram segundas carreiras como personagens de videogames.

Terrence Carson, astro de "Living Single", um seriado de humor que fez sucesso anos 90, é hoje a voz de Kratos, o personagem principal de "God of War", uma série de sucesso para o Sony PlayStation.

Michael Ironside, que fez diversos papéis secundários no cinema, empresta sua voz singular ao impiedoso agente secreto Sam Fisher, em "Splinter Cell", da Unisoft. "Keith David continua a ser um astro para mim", diz Marty O'Donnell, diretor de áudio do Bungie Studios, responsável pela criação de "Halo."   Continuação...