Chofer de Diana parecia bêbado, diz testemunha

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 21:19 BRST
 

Por Paul Majendie

LONDRES (Reuters) - O motorista da princesa Diana xingou fotógrafos e dava sinais de embriaguez instantes antes do acidente que a matou, segundo depoimento na segunda-feira a um inquérito sobre o caso.

Stephane Darmon, que pilotava uma moto para um dos fotógrafos que seguiam Diana na noite em que ela morreu, em agosto de 1997, disse que o chofer Henri Paul "estava jogando um jogo com os fotógrafos" e "parecia muito contente".

Tanto na França quanto na Grã-Bretanha, as investigações concluíram que Paul havia bebido demais e estava em alta velocidade ao se chocar com a parede de um túnel parisiense naquela madrugada de 31 de agosto.

"Num tom muito pessoal, tenho de dizer que meu pai era alcoólatra. Quando vi o sr. Paul, ele me lembrou meu pai, seus olhos, o jeito de agir, foi isso que eu pensei", disse Darmon aos jurados que acompanham a investigação, falando por vídeo de Paris.

"Paul era muito engraçado e sorridente. Ele ficava dizendo que Lady Di ia chegar em um quarto de hora, em 10 minutos, tentando criar uma certa pressão, uma atmosfera de antecipação. Tive a impressão de que ele queria ser o centro", disse Darmon.

Diana, então com 36 anos, seu namorado Dodi Al Fayed, 42, e Paul morreram horas depois do acidente. O pai de Dodi, o empresário Mohamed Al Fayed, diz que o casal havia ficado noivo e que Diana, ex-esposa do príncipe Charles, herdeiro da coroa britânica, estava grávida.

Ele diz que os serviços de segurança britânicos mataram o casal por ordens do príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth 2a.

Outra testemunha disse ao inquérito britânico ter visto um Fiat Uno dando uma guinada abrupta dentro do túnel, e pensou que o motorista estava bêbado. Georges Dauzonne, que guiava sua Rolls-Royce, disse aos jurados que precisou brecar para evitar a colisão.   Continuação...