Sarah Palin desperta amor e ódio em Hollywood

quinta-feira, 11 de setembro de 2008 18:53 BRT
 

Por Sue Zeidler

LOS ANGELES (Reuters) - Sarah Palin representa muita coisa que os intelectuais de esquerda em Hollywood adoram odiar, como a oposição ao casamento gay e o apoio ao porte irrestrito de armas, mas apesar disso possui duas qualidades que esse pessoal ama: carisma de estrela e um ótimo roteiro.

Também os republicanos, menos visíveis nesse ambiente, estão de olho na candidata a vice do partido. "Ela certamente tem um carisma de estrela e é o tipo da candidata feita para Hollywood. Eu mesmo já me ofereci para fazer um evento de arrecadação para ela", disse Harry Sloan, diretor do estúdio MGM, um executivo abertamente republicano.

As pesquisas indicam que a escolha de Palin impulsionou a chapa republicana junto a mulheres, eleitores rurais e sulistas.

Embora a agenda dos candidatos só seja divulgada com uma semana de antecedência, vários executivos de Hollywood disseram ter ouvido rumores de que McCain e Palin vão visitar a Califórnia até o começo de outubro, o que poderia incluir eventos com o setor cinematográfico.

Em geral, Hollywood despeja doações nos democratas. Até o final de julho, o candidato a presidente Barack Obama havia arrecadado 5,2 milhões de dólares do setor de entretenimento, bem acima dos 885 mil dados a John McCain, segundo o Centro para a Política Responsável.

"Aqui é 10 a 1 em termos de artistas que apóiam Obama versus McCain. Há um grupo significativo de apoiadores republicanos em Hollywood, só que eles não são tão expressivos", disse o analista político Allan Hoffenblum.

No próximo dia 16, a cantora Barbara Streisand será a estrela de um evento em Beverly Hills que deve angariar até 9 milhões de dólares para Obama.

Apesar dessa simpatia pelo democrata, observadores do setor dizem que cineastas, produtores e executivos estão fascinados pela história pessoal de Palin, uma mãe de família do Alasca, habituada a levar os filhos para jogar hóquei e caçar, e que de repente vira prefeita, governadora e eventualmente vice-presidente.   Continuação...