Filarmônica de NY vai tocar na Coréia do Norte

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007 20:28 BRST
 

NOVA YORK (Reuters) - No compasso da diplomacia, a Filarmônica de Nova York anunciou na segunda-feira a intenção de se apresentar na Coréia do Norte, o que seria a primeira visita de uma grande instituição cultural dos EUA ao recluso país comunista.

O convite do regime norte-coreano coincide com o início do processo de desmantelamento do arsenal nuclear do país e de um ainda tímido degelo nas relações com Washington.

A orquestra disse que detalhes da viagem serão anunciados na terça-feira por Christopher Hill, negociador-chefe dos EUA para a Coréia do Norte, por Pak Gil Yon, embaixador norte-coreano na ONU, e por Paul Guenther, presidente da orquestra.

"Isso sinalizaria que a Coréia do Norte está começando a sair da sua concha, o que todos entendem que é um processo de longo prazo", disse Hill à edição de segunda-feira do jornal The New York Times.

"Isso representa uma mudança em como eles nos vêem, e é o tipo de mudança que pode ser útil conforme avançamos nas negociações das armas nucleares", disse ele.

O Departamento de Estado dos EUA, empresas sul-coreanas e a Korea Society vão colaborar na tarefa de levar 250 pessoas e volumosos instrumentos para a Coréia do Norte, segundo o Times.

O concerto está marcado para 26 de fevereiro, ao final de uma turnê da Filarmônica pela China, segundo o jornal. Os músicos devem passar duas noites em Pyongyang, para dar uma oficina e participar de um jantar de gala.

A sinfônica mais antiga dos EUA disse em agosto que estava analisando um convite oficial do governo norte-coreano.

A Coréia do Norte aceitou neste ano desmantelar seu programa de armas nucleares em troca de benefícios econômicos e diplomáticos. Na semana passada, Hill entregou uma carta do presidente dos EUA, George W. Bush, ao líder norte- coreano, Kim Jong-il -- o primeiro contato direto já mantido entre ambos.

(Reportagem de Michelle Nichols e John O'Callaghan)