Fama ofusca temas políticos na corrida presidencial dos EUA

quarta-feira, 17 de setembro de 2008 19:28 BRT
 

Por Alex Dobuzinskis

LOS ANGELES (Reuters) - A questão da celebridade vem exercendo um papel inusitado na eleição presidencial nos Estados Unidos, com Barack Obama criticado por um jantar de 28.500 dólares por pessoa em Hollywood, John McCain enfrentando as entrevistadoras de "The View" e Tina Fey se fazendo passar por Sarah Palin.

O candidato republicano McCain criticou os eventos de levantamento de fundos para Obama em Beverly Hills, na terça-feira, vendo-os como exemplo do fato de que Obama estaria fora de contato com os eleitores comuns, mas McCain também tem seus admiradores em Hollywood.

Analistas políticos dizem que o papel da celebridade na política já ultrapassou de longe o simples apoio de celebridades, que há anos exercem impacto apenas limitado.

Este ano, políticos estão participando de programas de entrevistas, tentando alcançar uma base maior de eleitores do que conseguiriam apenas em programas políticos. E serviços de procura na Web dizem que as pessoas estão procurando nos candidatos qualidades mais ligadas a seu estilo de vida que a suas plataformas políticas.

"O que está em pauta é o aspecto celebridade dos próprios candidatos", disse Robert Thompson, professor de mídia e cultura pop na Universidade Syracuse.

As primeiras aparições de Obama no "The Oprah Winfrey Show" ajudaram a fazê-lo mais conhecido. Desde que foi declarado candidato, porém, ele não compareceu mais ao programa da apresentadora.

Na semana passada ele apareceu no "Late Show with David Letterman" e tentou esclarecer sua observação sobre "batom num porco", que provocou a ira de seus rivais republicanos.

McCain também foi para o circuito dos talk shows na semana passada, em "The View", onde várias apresentadoras, incluindo Barbara Walters e a atriz Whoopi Goldberg, lhe perguntaram sobre tópicos como a coerência de seu caráter.   Continuação...